sexta-feira, 29 de novembro de 2013

JORNAL DA CIDADE

CULTURA

FESESTE
"O Theatro Municipal de São Paulo"
lançado em Avaré
Jornalistas contam trajetória do Municipal por meio de crônicas de personagens



O Theatro Municipal de São Paulo, um dos principais cartões postais da capital paulistana, completou 102 anos, em 12 de setembro. Para contar a história do teatro, os jornalistas Edison Veiga e Vitor Hugo Brandalise reuniram perfis de pessoas famosas e anônimas, que viveram experiências memoráveis relacionadas ao local. Foram quatro anos de pesquisas em revistas, arquivos de jornais, de universidades, da Prefeitura da Cidade de São Paulo e do próprio teatro. Durante este período, realizaram 198 entrevistas, leram 200 livros. O resultado deste trabalho está no livro, O Theatro Municipal de São Paulo – Histórias surpreendentes e casos insólitos, lançado em 11 de setembro, na Livraria Cultura, do Conjunto Nacional, chega a Avaré.
A obra, que tem como eixo central a história do Municipal, reúne 100 crônicas, obtidas a partir de pesquisas e relatos. Narrações sobre Oswald de Andrade, Alfredo Mesquita, Raul Cortez, Fernando Meirelles, Maria Adelaide Amaral, Sérgio Reis, Mauricio de Sousa, entre outras personalidades, mesclam-se a de personagens anônimos.
Informações inéditas sobre um personagem tão biografado quanto o arquiteto Ramos de Azevedo abrem a publicação. Durante a pesquisa, os autores encontraram documentos nunca antes revelados que demonstram a opinião do arquiteto sobre o Municipal e sobre possíveis homenagens a ele no local.
De forma atemporal, os capítulos seguem um fio condutor, que vai variando no decorrer da obra. A história da ex-modelo Silene Zepter, por exemplo, que subiu ao palco do teatro totalmente nua para entregar o prêmio de Melhor Estilista a Fause Hauten, é seguida pela de Mauricio de Sousa. O famoso cartunista relata a grande emoção que teve, quando era adolescente, em vislumbrar mulheres com seios à mostra durante uma apresentação no Municipal.
Várias histórias brilhantes, por vezes inverossímeis, dão um toque especial à publicação, como o caso do pianista Gilberto Tinetti, que mesmo com o teatro fechado para reformas foi ao Municipal regularmente tocar o piano recém-adquirido pela instituição, pois o instrumento novo não poderia ficar parado e teria de ser tocado para o “som ser aberto pouco a pouco”. Ou ainda, a passagem sobre Rosa Corvino, senhora de 85 anos, que nasceu dentro do teatro e até hoje vive pelas redondezas.
Pode-se destacar, também, a importante relação de Fernando Meirelles com o teatro. A primeira experiência marcante foi em 1972, quando foi ao local comemorar os 50 anos da Semana de Arte Moderna. Anos mais tarde, no inicio da década de 80, começou a namorar uma bailarina do Corpo de Baile do teatro, chamada Ciça, hoje, sua esposa. Nesta mesma época, o cineasta, ainda câmera de Goulart de Andrade no programa 23ª Hora, foi ao Municipal gravar uma reportagem com o zelador Arlindo de Souza sobre a presença de fantasmas no local. Mais de vinte anos depois, já reconhecido internacionalmente, Meirelles gravaria no local a minissérie global Som Fúria, justamente quando seu filme Ensaio sobre a Cegueira estava sendo lançado no Brasil.
Local de encontros felizes, o Municipal foi também onde Eva Wilma conheceu seu primeiro marido, John Herbert. Decidida a seguir a carreira artística desde menina, a atriz revela que os porteiros do teatro contribuíram muito com sua formação ao fazer vista grossa e permitir sua entrada nos espetáculos, os quais não tinha como pagar.
De forma totalmente inédita, por meio de histórias como as exemplificadas acima, os autores levam o leitor a uma viagem que percorre toda a trajetória do teatro, desde seu projeto até os dias de hoje.
Sobre os autores
Edison Veiga
Autor dos livros Mingutas: correndo da carranca do carimbo, caramba! E O Menino que Sabia Colecionar, entre outros. É jornalista, escritor e viciado em histórias curiosas. Assina a coluna Paulistices, publicada semanalmente caderno Divirta-se do jornal O Estado de S.Paulo e veiculada três vezes por semana na rádio Estadão. Edison é natural de Taquarituba e sobrinho de Gumercindo Castellucci Filho, Jornalista de Avaré.
Vitor Hugo Brandalise
Jornalista desde de 2007, já trabalhou como repórter nos jornais O Estado de S.Paulo e La Voz de Galícia, da Espanha. Atualmente é editor de reportagens da revista GQ e mantém um blog sobre literatura.

Serviço:
O Theatro Municipal de São Paulo – Histórias surpreendentes e casos insólitos
Autores: Edison Veiga e Vitor Hugo Brandalise
Editora: Editora Senac São Paulo
Preço: R$ 49,00
Número de páginas: 366
Disponível no DAP - Banca embaixo da ACIA Rua Rio de Janeiro, ou 14  997746933.