terça-feira, 24 de junho de 2014

JORNAL DA CIDADE - Sócioeducação

Madre Teresa II recebe livros doados pela Fundação Educar e Editora Ática
Bibliografia será utilizada principalmente pelos jovens integrantes do grupo de Contação de Histórias do centro socioeducativo de Iaras 

O grupo de Contação de Histórias Conta Outra, do CASA Madre Teresa de Calcutá, em Iaras, agora ampliará o repertório de histórias a serem contadas com as doações de cerca de 100 livros feitas pela Fundação Educar DPaschoal e Editora Ática. 
Quatro dos adolescentes integrantes do grupo, acompanhados de funcionários do centro socioeducativo, retiraram as doações em 28 de maio na cidade de Bauru, onde há representações dessas instituições. 
Na unidade local da Ática, ao lado da agente educacional Valéria Negrão de Abreu e da agente de apoio socioeducativo Maria Angélica Simões, os jovens foram desinibidos e conversaram sobre o projeto do grupo com os funcionários. 
“Para mim foi bem interessante, principalmente por saber o quanto de apoio a nossa oficina de Contação (de Histórias) recebe das pessoas. Fomos bem recebidos pelas editoras. Com os novos livros continuaremos levando sorriso e alegria para as crianças para as quais nos apresentaremos”, conta Marcos (nome fictício), um dos jovens integrantes do grupo e que participou da retirada dos livros. 
Da Fundação Educar, o centro socioeducativo recebeu dez exemplares de seis títulos com temas didáticos, totalizando 60 exemplares. Esta foi a segunda doação que o CASA recebeu da Fundação, cujas obras já são utilizadas nas apresentações do grupo. 
Cerca de 40 títulos diferentes, sobre literatura, contos, entre outros gêneros, foram doados pela Ática. Há também clássicos de Machado de Assis, como a obra Brás Cubas, contada em quadrinhos. 
De acordo com o coordenador pedagógico do centro, Rafael Vendramini, que entrou em contato com a Editora, a empresa demonstrou interesse na doação especialmente pelo foco do trabalho ser no incentivo à leitura dos jovens. “Expliquei para a representante da área de distribuição o projeto, que logo se interessou e separou alguns títulos para nós.” 
O grupo Contação de Histórias foi criado em 2013 no CASA Madre Teresa II e tem os objetivos de incentivar a leitura dos jovens internados e realizar visitas às escolas da região, levando à comunidade essas histórias contadas pelos adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa.


INTERNOS NA EXPOSIÇÃO 
100 ANOS DE DJANIRA



Durante as aulas de Artes Plásticas, modalidade Pintura em Tela, todos os adolescentes participantes da oficina, desenvolveram um trabalho proposto pela Arte Educadora Franciane G. Panchoni; sendo releituras das obras da Artista Plástica Avareense Djanira da Motta e Silva. Antes do início da pintura, os adolescentes visitaram o acervo das obras da artista, que está localizado no Museu Histórico e Pedagógico “Anita Ferreira Maria” na cidade de Avaré. A visita foi o ponto inicial para o planejamento das atividades realizadas com os socioeducandos, com o objetivo de conhecer as obras e um pouco mais sobre a vida desta conceituada Artista. No decorrer das aulas, a arte educadora trabalhou sobre a vida e obras (suas peculiaridades), para que os mesmos fizessem a releitura das mesmas. O resultado foi muito positivo, pois além das belas telas, os adolescentes/jovens conheceram sobre a vida e obras desta artista. As Telas produzidas na oficina fizeram parte da exposição em comemoração ao Centenário da Djanira da Motta e Silva no museu citado acima, sendo as releituras muito elogiadas pela organização do evento e pelos visitantes.

Crianças ouvem histórias de 
jovens do Madre Teresa II

Adolescentes participam do grupo de Contação de Histórias do CASA localizado em Iaras; houve também apresentação musical 

Cerca de 60 crianças, com idades entre 6 e 11 anos, estudantes da EMEF Maria Nazareth A. Pimentel, em Avaré, assistiram, curiosas e encantadas, à sessão de contação de histórias realizada por seis adolescentes que cumprem medida socioeducativa de internação no CASA Madre Teresa de Calcutá II, em Iaras. 
Essa foi mais uma apresentação do Grupo de Contação de Histórias, ocorrida em 23 de maio. A trupe foi criada no centro socioeducativo em 2013 e já distribuiu histórias e canções em outras duas escolas de Avaré e Cerqueira César, além da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Cerqueira. 
Na EFMEF Maria Nazareth, durante cerca de duas horas, seis adolescentes declamaram poesias – seguidas de esclarecimentos dos conteúdos para as crianças – e leram narrações constantes nas obras doadas pela Fundação Educar DPaschoal. 
O público presente ainda conferiu os talentos de quatro deles, que tocaram e cantaram músicas populares brasileiras, sertanejos, entre outros gêneros. Esses adolescentes também frequentam as oficinas de violão do GADA, parceiro executivo da Fundação CASA na realização de oficinas de arte e cultura. O educador João Paulo Siqueira, responsável pelas aulas, acompanhou os jovens. 
“As crianças cantaram com muito entusiasmo, levantaram as mãos e vibraram junto com os jovens”, descreveu a agente educacional Valéria Negrão de Abreu, idealizadora do Grupo. Ela acompanhou a performance em Avaré. 
“A cada nova apresentação me sinto menos envergonhado e mais feliz por ver que tenho a atenção e a gratidão das crianças”, contou o jovem Caio (nome fictício), de 19 anos, que participa do Grupo há cerca de seis meses. Nesse período, realizou três contações. “Hoje leio mais do que antes de ser internado.” 

Sobre o Grupo 

A oficina de contação nasceu a partir de uma atividade anteriormente realizada, a sala de leitura, na qual os adolescentes eram incentivados a ler livros – inclusive parágrafos em voz alta para treinar a dicção e discutir os assuntos abordados. A ideia, então, evoluiu para ler histórias para crianças. 
O objetivo da oficina é, por meio da leitura e da escrita, despertar a criatividade dos jovens, proporcionando momentos lúdicos e de viagem pela imaginação para o público infantojuvenil. 
Os temas e os livros vieram a partir da doação feita pela Fundação Educar DPaschoal, que possui um programa específico de cessão de literatura para incentivar a leitura de crianças e adolescentes. 
Internos do Madre Teresa de 
Calcutá I e II visitam Osesp
Quatro adolescentes, de 16 a 17 anos, internados nos CASAs Madre Teresa de Calcutá I e II, em Iaras, pela primeira vez sentiram a emoção de ouvir, ao vivo, uma orquestra sinfônica, no dia 16 de maio. 

Os jovens, que frequentam a oficina de violão e estão na fase avançada da medida socioeducativa, assistiram, de um camarote, a um concerto didático da Orquestra Sinfônica de Heliópolis, na Sala São Paulo, a “casa” da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp), na capital paulista. A iniciativa integra o programa Descubra a Orquestra, da Osesp. 
Previsto pela equipe multidisciplinar do CASA no plano individual de atendimento (PIA) de cada um, o objetivo foi dar acesso a um novo gênero, além de reconhecerem visualmente a harmonia instrumental de peças de música erudita ou popular brasileira, tocados por orquestra. 
Na primeira parte, a Orquestra tocou o “Guia Orquestral Brasileiro”, do compositor Arthur Barbosa, acompanhada de narração que tratou da história e da formação de uma orquestra e as características dos instrumentos. 
Já na segunda etapa, os jovens conferiram o arranjo especial, chamado “Aquarela do Tico Tico que só Dança Samba”, do compositor Chiquinho de Moraes, feito a partir da junção de três músicas populares: “Aquarela do Brasil”, de Ary Barroso; “Só Danço Samba”, de Tom Jobim; e “Tico Tico no Fubá”, de Zequinha de Abreu. 
O professor da oficina, João Paulo Siqueira, participou visita, ao lado de dois funcionários do centro socioeducativo – uma agente educacional e um agente de apoio socioeducativo. 
Com a experiência, os jovens já estão com a audição mais afinada para o próximo desafio: a introdução de instrumentos de percussão, como pandeiro, surdo e cavaquinho, na oficina musical. 
Jovens do Madre II contam 
histórias em escola de Avaré
É a terceira apresentação do grupo de contação de histórias, surgido em 2013 e formado por jovens internados em Iaras 

Nove jovens que cumprem medida socioeducativa de internação no CASA Madre Teresa de Calcutá II, em Iaras, realizaram mais uma sessão de contação de histórias e de música, agora para crianças do 2º ao 5º anos do Ensino Fundamental da EMEF Vitor Lamparelli, em Avaré. 
Os adolescentes integram o Grupo de Contação de Histórias do centro socioeducativo, criado em 2013. Esta foi a terceira apresentação da trupe, ocorrida em 1º de abril. Eles já passaram pela Associação de Paes e Amigos dos Excepcionais (Apae) e pela EMEF Maria José França Nogueira, ambos de Cerqueira César.
Na nova apresentação, os jovens inovaram o repertório com poesias, cujas declamações foram seguidas de esclarecimentos ao final de cada leitura, como forma de estimular a compreensão das crianças. 
Depois da contação, foi a vez da “cantação de histórias”. Os jovens que também participam da oficina de violão do centro socioeducativo tocaram músicas sertanejas, MPB, pagode e canções gospel. 
A agente educacional Valéria Negrão de Abreu, idealizadora da iniciativa no centro socioeducativo, acompanhou os adolescentes na apresentação. É ela quem realiza a atividade com os jovens, treinando a leitura e incentivando a criatividade. 
“Sem dúvida foi uma tarde de grande alegria e de muito aprendizado”, afirmou o coordenador pedagógico do centro socioeducativo, Rafael Vendramini. 
“Com as oficinas semanais de contação de histórias, percebemos que o interesse dos adolescentes pela leitura aumentou, assim como o senso de responsabilidade tanto em ajudar o próximo quanto em levar um pouco de alegria às crianças”, observou o coordenador. 
Sobre o Grupo 

A oficina de contação nasceu a partir de uma atividade anteriormente realizada, a sala de leitura, na qual os adolescentes eram incentivados a ler livros – inclusive parágrafos em voz alta para treinar a dicção e discutir os assuntos abordados. A ideia, então, evoluiu para ler histórias para crianças. 
O objetivo da oficina é, por meio da leitura e da escrita, despertar a criatividade dos jovens, proporcionando momentos lúdicos e de viagem pela imaginação para o público infantojuvenil. 
Os temas e os livros vieram a partir da doação feita pela Fundação Educar DPaschoal, que possui um programa específico de cessão de literatura para incentivar a leitura de crianças e adolescentes 
Jovens do Madre Teresa II 
contam histórias na Apae
Iniciativa integra oficina de contação promovida no centro socioeducativo de Iaras; foi a segunda apresentação do grupo

Nove adolescentes que cumprem medida socioeducativa de internação no CASA Madre Teresa de Calcutá II, em Iaras, contaram histórias infantis para jovens e adultos atendidos pela unidade da Associação de Paes e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Cerqueira César. 
A contação, acompanhada ao final de música, ocorreu em 21 de fevereiro. Foi a segunda apresentação dos jovens desde o início da oficina, por volta de maio de 2013. A primeira aconteceu em outubro do mesmo ano, na EMEF Maria José França Nogueira, no mesmo município, para alunos do 5º ano do Ensino Fundamental. 
“Os jovens tentaram interagir o máximo possível e os alunos da Apae demonstraram ter gostado bastante do esforço deles”, afirmou a agente educacional Valéria Negrão de Abreu, idealizadora da iniciativa no centro socioeducativo e responsável pelas atividades com os adolescentes na oficina da contação de histórias. 
No repertório estavam narrativas, contos e poesias que discutiam princípios e valores, como a amizade, seguido de um breve debate sobre cada tema com os ouvintes. No final, os jovens tocaram diferentes estilos musicais, como gospel, pagode, MPB e pop. 
A oficina de contação nasceu a partir de uma atividade anteriormente realizada, a sala de leitura, na qual os adolescentes eram incentivados a ler livros – inclusive parágrafos em voz alta para treinar a dicção e discutir os assuntos abordados. A ideia, então, foi de ler histórias para crianças. 
O objetivo da oficina é, por meio da leitura e da escrita, despertar a criatividade dos jovens, proporcionando momentos lúdicos e de viagem na imaginação para o público infantojuvenil. 
Os temas e os livros vieram a partir da doação feita pela Fundação Educar DPaschoal, que possui um programa específico de cessão de literatura para incentivar a leitura de crianças e adolescentes. 
Segundo Valéria, a interação com a oficina de violão se deu pela coincidência de jovens que frequentam ambos os cursos no CASA. As aulas de arte e cultura são ministradas por educadores da organização não-governamental (ONG) GADA, parceira executiva da Fundação CASA. 
“O resultado foi muito significativo, pois além de expor todo o trabalho que é desenvolvido na oficina, a apresentação proporcionou a interação dos adolescentes com os alunos e funcionários da Apae”, explicou o coordenador pedagógico do centro socioeducativo, Rafael Vendramini. “Foi uma tarde de muita alegria.”
Fonte - Instituição