FAMPOP 2017

FAMPOP 2017
Espaço cedido para Cultura de Avaré

segunda-feira, 5 de junho de 2017

NOVO GOLPE É APLICADO PELO WHATSAPP PREJUDICANDO QUASE 400 MIL PESSOAS

Um novo golpe pelo Whatsapp está tirando o sono de quem tem contas inativas do FGTS para receber. De acordo com uma empresa de segurança na internet, os criminosos estão oferecendo, via o aplicativo, uma mensagem com a opção de consultar o saldo do FGTS, o que não existe pelas vias oficiais. // Mais de 360 mil pessoas já foram afetadas pelo golpe,o usuário deve ficar atento e não clicar em nada que pareça suspeito no aplicativo Whatsapp.
Mais de sete milhões de pessoas já estão aptas a receber o FGTS inativo. 
Segundo a Caixa Econômica Federal, mais de 16 bilhões de reais já foram sacados. 
Ao todo serão mais de 43 milhões de reais sacados até o fim dos pagamentos. 
A Caixa informa que não manda comunicados para quem tem contas do FGTS para receber e que para saber se existe dinheiro disponível o trabalhador pode consultar pelo aplicativo do FGTS, no site oficial da Caixa ou até mesmo pessoalmente em uma agência do banco. 

COMO FUNCIONA

A mensagem exige que o usuário responda a três perguntas (“Você trabalhou no período entre 1998 a 2016?”, “Você está registrado atualmente?” e “É maior de 18 anos”), clique no link e ainda o compartilhe com 10 contatos do aplicativos.
Além disso, como costuma acontecer nesses golpes, o usuário é levado a uma página maliciosa para se cadastrar em serviços de SMS pago de conteúdo adulto - que efetuam cobranças indevidas - ou baixar apps falsos, que podem infectar o smartphone e deixá-lo vulnerável a outros tipos de crimes ou prejuízo financeiro.

DICAS PARA PROTEÇÃO

“O usuário deve estar atento a qualquer tipo de promoções exageradas que chegam por mensagens, checando sempre se a promoção é real ao entrar em contato diretamente com a empresa ou órgão do governo. Além disso, é imprescindível que tenha instalado um software de segurança com a função ‘antiphishing’, pois esse sistema é capaz de analisar todas as ameaças existentes no mundo virtual”, explica o gerente de Segurança da PSafe, Emilio Simoni.