quarta-feira, 20 de setembro de 2017

HIDRELÉTRICA JURUMIRIM COMPLETA 55 ANOS

 FOTOS: HENRIQUE MANZERA







Hoje sob a concessão da Rio Paranapanema Energia, empreendimento mantém sua importância para a região e para o País.
CONHEÇA A HISTÓRIA EM MAIS INFORMAÇÕES⬃
Setembro de 1962 tornou-se um marco para os municípios paulistas do Médio Paranapanema. No dia 21, com grande repercussão nacional, entrava em operação a hidrelétrica Jurumirim, parte de um grandioso projeto para fornecer energia a municípios da Bacia do Paranapanema até então precariamente atendidos por pequenas usinas e geradores de prefeituras. 
Graças à inauguração, cidades como Piraju, Avaré, Cerqueira Cesar, Itaí e Tejupá puderamregularizar o fornecimento de energia elétrica. Com obras iniciadas em 1956 – em plena era JK, quando o setor elétrico nacional tomava impulso – a hidrelétrica concluída há 55 anos, no governo João Goulart, tem capacidade atual de gerar 100,9 MW, suficientes para atender uma cidade de mais de 900 mil habitantes, contribuindo com o sistema elétrico brasileiro.
Para a região, sua construção incrementou a infraestrutura viária, com novas estradas e pontes; movimentou a economia, ao gerar milhares de empregos; e trouxe operários de diversas partes do país, muitos deles e seus descendentes até hoje moradores das cidades vizinhas à usina. Uma vez concluída, Jurumirim também abriu caminho para uma nova e importante atividade econômica: o turismo. 
O reservatório de 470 quilômetros quadrados, com capacidade para 7,7 bilhões de metros cúbicos, une beleza cênica e águas limpas atraindo turistas em busca de lazer, pesca e esportes aquáticos. Para as comunidades locais, serve ainda a outros usos, como abastecimento urbano, irrigação de lavouras e piscicultura.
A gestão da usina alcança também a biodiversidade da região e do rio Paranapanema, por meio de diversos programas ambientais. “Somente nos últimos cinco anos foram soltos 839 mil alevinos de espécies nativas no reservatório, plantadas mais de 72 mil árvores de essências nativas no seu entorno, bem como foram doadas mais de 89 mil mudas de árvores nativas para projetos de restauração florestal de propriedades rurais parceiras da empresa no programa de Promoção Florestal”, expõe Evandro Vasconcelos, vice-presidente da Geração da CTG Brasil.
CTG Brasil

Desde o início de sua operação, as cidades próximas mantêm um importante relacionamento com Jurumirim. De acordo com Vasconcelos, a Rio Paranapanema Energia – atual concessionária e parte do Grupo CTG no Brasil – quer estreitar ainda mais esses laços: “A CTG Brasil entrou no mercado brasileiro visando combinar a experiência do Brasil e da China na geração de soluções de energia limpa para o futuro. É grande o interesse da companhia pelo País, especialmente pelas comunidades vizinhas aos nossos empreendimentos. Queremos colaborar com o desenvolvimento e a qualidade de vida dessas populações”, enfatiza.
Desde dezembro de 2016, a CTG Brasil atua na Bacia do Paranapanema por meio da Rio Paranapanema Energia, atual concessionária das hidrelétricas Jurumirim, Chavantes, Salto Grande, Canos I, Canoas II, Capivara, Taquaruçu e Rosana.
A CTG Brasil é parte da China Three Gorges Corporation (CTG), líder mundial em geração de energia hidrelétrica. Parte de sua empresa está no País desde 2013, mas sua história de cooperação e troca de conhecimento com o Brasil começou na década de 1980, quando engenheiros chineses vieram aprender com os engenheiros de Itaipu para a construção da usina de Três Gargantas, a maior do mundo, localizada no Rio Yangtzé, na China. Começava, aí, um intercâmbio de experiências que perdura até hoje.
Atualmente, a CTG Brasil possui investimentos em 17 usinas hidrelétricas e 11 parques eólicos e uma capacidade total instalada de 8,27 GW, sendo a segunda maior geradora privada de energia do País.  A empresa conta com a dedicação de seus talentos locais e está comprometida em contribuir com matriz energética brasileira, pautada pela responsabilidade social e respeito ao meio ambiente.