Federal apura se cuidadora de idosos presa com pistolas em ônibus tem relação com o crime organizado

Polícia Federal abriu inquérito para investigar se a cuidadora de idosos, que foi flagrada com sete pistolas 9 mm, diversos carregadores e 159 munições dentro de um ônibus na rodovia Castello Branco (SP-280), em Avaré (SP), tem relação com o crime organizado e se as armas seriam entregues para alguma facção em São Paulo.

Sete pistolas foram apreendidas com cuidadora de idosos em Avaré (Foto: Divulgação/Polícia Rodoviária)

A apreensão ocorreu no sábado (10), em Avaré (SP). Uma equipe da Policia Rodoviária fazia fiscalização de rotina quando abordou um ônibus que tinha saído de Foz do Iguaçu e seguia com destino para São Paulo.
Durante a abordagem, os policiais encontraram na bagagem de mão da mulher, de 44 anos, quatro pistolas de origem turca, três pistolas de origem austríaca, além de 159 munições de calibre 9 mm. Durante revista pessoal foram encontrados diversos carregadores escondidos na perna.
De acordo com a delegada Karen Cristina Dunder, chefe da Polícia Federal de Bauru (SP), a mulher teve prisão preventiva decretada. Ela foi autuada por porte ilegal de arma de fogo e
“A prisão preventiva dela foi decretada e um inquérito policial foi instaurado para investigar para onde essas armas iam ser entregues e se ela faz parte de uma facção de crime organizado. A história que ela falou está muito mal contada, então iremos investigar”, diz.
O sargento da Polícia Rodoviária Antônio Duarte Neto afirmou que a suspeita é de que a mulher faça parte de uma quadrilha especializada pela quantidade de pistolas apreendida. Segundo ele, as sete armas são avaliadas em R$ 30 mil.
“Acreditamos que ela faça parte de uma quadrilha de crime organizado pela quantidade de arma encontrada e pela logística de como foi. Ela contou que pagaram hotel para ela em Foz, que foi de táxi para o Paraguai, onde recebeu as armas e dinheiro em um envelope. Disse que não sabia para quem ia ser entregue”, diz.
“Então, acreditamos que ela não pegou por conta própria essas pistolas e ia tentar a sorte vendendo. É um tipo de crime muito bem pensado. Ela só faz parte de uma quadrilha com vários integrantes”, ressalta.
Ainda segundo a polícia, a mulher não tinha passagem pela polícia. As pistolas, carregadores e munições foram apreendidos.
Veja mais notícias da região no G1 Itapetininga

Comentários