Funcionário público acusado de ter abusado de crianças

Mulher relata que filha apresentava comportamento estranho 

na hora do banho e diz que o suspeito a ‘abraçava por trás’. 

Mãe de criança que teria sido abusada por servidor faz desabafo: ‘Revoltada’

Mãe de uma garota que teria sido abusada diz que espera pela punição do suspeito (Foto: Evandro Cini/TV TEM)

A mãe de uma das crianças que teriam sido abusadas por um servidor público municipal de Botucatu (SP), preso em flagrante na quinta-feira (15), diz estar revoltada com a situação.
Segundo as testemunhas informaram aos policiais militares, que fizeram a prisão, o suspeito se aproximava das crianças e tocava as partes íntimas delas, tanto meninas quanto meninos.
A mulher afirmou à reportagem da TV TEM que a filha vinha apresentando comportamento estranho nos últimos tempos, mas não explicava os motivos.
“Há uma semana ela estava estranha pra tomar banho, calada, mas sempre me dizia que não era nada, que apenas estava cansada. Estou revoltada, porque dói muito saber disso. A gente deixar o filho num lugar seguro e depois ficar sabendo que um cara desses está abusando dele”, disse a mulher.
O agente de atividades escolares trabalhava em um colégio público da Vila Santana. A função dele era proteger os alunos de um projeto que ensina vários tipos de esporte para 50 crianças com idades entre 8 e 10 anos.
O funcionário foi preso em flagrante porque, segundo a polícia, é suspeito de abusar dos alunos. 
O suspeito foi encaminhado para a Delegacia de Defesa da Mulher, onde prestou depoimento.
Segundo a Polícia Civil, nove crianças disseram à polícia que foram abusadas e informaram que isso ocorria de forma constante. A mãe de uma delas explica os detalhes do abuso relatada pela filha.
“Ela me disse que ele a abraçava por trás e pela frente, e passava a mão no bumbum e no órgão genital. São várias crianças abusadas e ele merece ser punido”, completa a mãe.
De acordo com o delegado seccional de Botucatu, Antônio Soares da Costa Neto, o suspeito pode pegar de oito a 15 anos de prisão por criança contra a qual for confirmado o abuso.
O suspeito foi encaminhado para a cadeia de Itatinga.
Segundo a Secretaria de Educação de Botucatu, pasta á qual o funcionário público é vinculado, o suspeito vai ser exonerado do cargo. O secretário da pasta, Valdir Gonzales Paixão Júnior, disse que as crianças atacadas serão atendidas por psicólogos.
Veja mais notícias da região no G1 Bauru e Marília

Comentários