O filme BONI BONITA, uma co-produção entre as produtoras brasileiras, Nimboo's e Urano Films, e a Produtora argentina "Werner Cine", com direção de Daniel Barosa (o primeiro longa-metragem de ficção dele), tendo antes dirigido diversos curtas-metragens premiados, teve muitas cenas rodadas em Avaré.
O Jornal O Vitoriano ouviu na época alguns depoimentos dos envolvidos na produção:
Caco Ciocler protagonista do filme:
 "Me interessou ser o primeiro filme do diretor e ser uma equipe jovem. Os primeiros filmes têm uma paixão ainda muito bonita e que dá vontade de compartilhar. Adoro filme de baixo orçamento, filme de galera". 
Para a o pessoal da equipe de produção, composta por João Segall e Nikolas Maciel, da produção executiva, e Gabriela Brigagão, diretora de produção, 
"um filme de baixo orçamento precisa de apoio pra acontecer. De gente que tope acreditar nele tanto quanto a gente, a começar pela equipe e elenco. Então, a primeira coisa que fizemos em Avaré, foi entrar em contato com a Secretaria de Cultura de Avaré, Diego Beraldo, que se prontificou imediatamente a ajudar. São estas relações que fazem as coisas serem possíveis, quando não se tem dinheiro".  
Sinopse
Beatriz é um garota inocente de 17 anos de idade que, após a morte da mãe, é obrigada a se mudar da Argentina para o Brasil e morar com um pai ausente. Em busca de uma figura paterna, ela conhece Roger, um músico rico de aproximadamente 38 anos, neto de um famoso cantor brasileiro da MPB, e que luta para honrar o legado musical de sua família. Os dois iniciam uma relação incomum, alimentada pela ideia que Beatriz tem de amor, e pelas necessidades obscuras de Roger, que se confundem entre a substituição da figura paterna e o desenvolvimento de um Romance, que fica no limite entre o platônico e o consumado. No elenco principal estão Caco Ciolcler (Olga - 2004), Ghilherme Lobo (Hoje Quero Voltar Sozinho - 2013), e Ailín Salas (Sessão de Terapia - ARG).
O diretor Daniel Barosa ainda acrescentou:
"Desde criança venho para Avaré. Passei as férias aqui muitas vezes. Então, a imagem da cidade, e da represa, sempre ficaram na minha memória. Sempre tive a vontade de contar essa história aqui. Até porque, além do apelo afetivo, o lugar é bonito demais. Tem que ser aproveitado na cinematografia brasileira e, embora já tenham ocorrido outras filmagens na região, não me lembro de nenhuma onde fosse admitido ser Avaré, na própria trama".
Segundo informações, o Filme será apresentado de forma oficial em sessão gratuita em data provável no mês de Outubro de 2019.

FONTE BASE O Jornal O Vitoriano