SEGUNDA 19 de agosto de 2019


Presidente precisa decidir sobre PGR, indicação do filho e vetos ao abuso de autoridade. 

Compasso de espera


Jair Bolsonaro não cumpriu sua promessa de indicar até a última sexta-feira 16 o nome de quem vai chefiar a Procuradoria-Geral da República. Neste domingo 18, a coluna Radar antecipou que opresidente já tem nome escolhido para o cargo e deve anunciá-lo até terça-feira. O mandato de Raquel Dodge termina em um mês e seu eventual substituto precisa ser aprovado pelo Senado. A Casa, aliás, também aguarda a qualquer momento a indicação oficial do filho mais novo do presidente, Eduardo Bolsonaro, para o cargo de embaixador em Washington, mas o chefe do Executivo quer ter certeza de que seu caçula não será rejeitado — a consultoria técnica formada por senadores já falou que é nepotismo. O Palácio do Planalto também pode sancionar ou vetar a qualquer momento aLei de Abuso de Autoridade, aprovada pelos deputados no último dia 14.


Armas de fogo


Está pautada para a terça-feira a análise na Câmara de um projeto de lei do Poder Executivo para flexibilizar as regras para porte e posse de armas de fogo. A proposta foi apresentada pelo governo depois que o Congresso derrubou dois decretos do presidente Jair Bolsonaro (PSL) sobre o assunto. Como passou a tramitar em regime de urgência, a votação pode acontecer diretamente em plenário, sem passar pelas comissões.


Rogério Marinho no Senado


A Comissão de Constituição e Justiça do Senado inicia na terça-feira as audiências públicas sobre a reforma da Previdência. As sessões duram até quinta-feira. A ideia é discutir os termos do texto com convidados. O secretário Especial de Trabalho e Previdência do Ministério da Economia, Rogério Marinho, foi convidado para falar e deve comparecer na própria terça.


Para segurar o dólar


Na quarta-feira 21, o Banco Central começa a vender 550 milhões de dólares à vista no mercado de câmbio diariamente. A medida dura até o dia 29 de agosto. Com isso, o banco pretende controlar a variação do câmbio, que atingiu o patamar dos 4 reais em todas as sessões da semana passada. Entenda a medida do BC aqui.


Desafio ao premiê italiano


A situação de instabilidade na Itália segue em aberto até terça-feira, quando o Senado retoma discussão sobre uma moção de censura contra o primeiro-ministro Giuseppe Conte. O desafio foi proposto pelo mais novo adversário do premiê, o ministro do Interior e líder do partido de extrema direita Liga Norte, Matteo Salvini. Conhecido por suas políticas anti-imigração, Salvini deseja convocar novas eleições e consolidar o favoritismo da sua legenda no país.


Acompanhe tudo em www.veja.com.br