Papo de Psicóloga - Setembro Amarelo: Vamos falar sobre suicídio?



Normalmente evitamos falar sobre aquilo que nos causa desconforto mas, no caso do suicídio, falar pode salvar vidas. A escolha do tema não foi à toa, pois no mês de setembro é realizada uma campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio, o “Setembro Amarelo”, que se estende ao longo de todo o mês com objetivo de dar visibilidade a este assunto tão importante e, infelizmente, tão atual. 

Nós sabemos que o suicídio é o ato de causar a própria morte de modo intencional, porém o que muitos não sabem é que, na maioria das vezes, a intenção de quem comete o suicídio não é acabar com sua vida, e sim acabar com a dor excessiva que sente. Dentre os fatores de risco podem estar envolvidos transtornos mentais como a depressão e ansiedade, bullying, pressão familiar e social, dependência química, abusos, entre outros motivos que fogem do controle do indivíduo e podem causar danos emocionais graves. Tentativas de suicídio são um sinal claro de que a pessoa  está sofrendo e enfrentando sentimentos que não é capaz de lidar. 

Carolina Mendes

Para ajudar alguém que pode estar passando por um sofrimento intenso, dar suporte emocional e encorajar a busca por ajuda profissional são as principais formas de colaborar. Forneça um espaço de escuta confortável, acolha-o de maneira compreensiva e respeitosa, e incentive a busca por um profissional da saúde mental para que realize o tratamento adequado, a fim de ajudá-lo a compreender e aliviar a sua dor. 

Falar sobre suicídio é dar espaço para que o indivíduo se expresse através de palavras, possibilitando que a dor saia de outra forma, que não pela agressão contra si. Acima de tudo, falar sobre suicídio é falar sobre empatia, respeito, acolhimento. Falar sobre suicídio é a ferramenta que temos para valorizar a vida! 

*Se você está passando por uma situação difícil, não deixe que seja tarde, busque ajuda. Caso não se sinta confortável para conversar com um familiar ou amigo, existem serviços especializados como o CVV - Centro de Valorização da Vida, que possui voluntários capacitados à disposição 24 horas para ouvir e conversar sob total sigilo por meio de telefone, chat ou e-mail, na tentativa de aliviar o seu sofrimento.

Acesse www.cvv.org.br ou ligue gratuitamente para o número 188.

Carolina Mendes
Psicóloga Clínica – CRP 06/145600

Postar um comentário

0 Comentários