COLUNA DO GUMA - Especial "Época boa demais!"

  • Olá meu amigo, olá minha amiga, é sempre um prazer esta nossa "conversa" periódica, onde procuro retratar um pouco de minha vida, minha infância e adolescência, em especial. 
Desta vez vou trazer um retrato, que embora não escrito por mim, (apenas com algumas adaptações), tem tudo a ver com "aquele tempo", o tempo das "Memórias de um tio"

    •  ESTA ERA A NOSSA VIDA!!!! SEM TIRAR, NEM POR!!!! TEXTO PERFEITO!!!!  

“Cresci, em Taquarituba, uma cidade do interior de São Paulo, ia para a escola a pé e às vezes com um monte de amigos, e íamos rindo e papeando. Não tínhamos bolsa família, cota para afrodescendentes e nem vale gás. Não tinha google nem celular... As pesquisas de escola eram feitas em bibliotecas (usávamos a Barsa, Delta Larousse (tenho até hoje), Tesouro da Juventude,  Google da nossa época kkkk), escritas a mão em papel almaço (se estivesse igual como no livro, estávamos ferrados). Na escola tinha o gordo, o leitão,  quatro olho,  a branquela, tinha canela fina, anão, o narigudo, a Olivia Palito , o cabeção,  a sukita, porco da índia, chiclete e por aí vai..Todo mundo era zoado, às vezes até brigávamos, mas logo estava tudo resolvido e seguia a amizade... era brincadeira e ninguém se queixava de Bullying. Existia o valentão, mas também existia quem defendesse. Tinha o dia do flúor, dia da vacina... Nossas férias começavam 1° de dezembro e retornávamos em (PASMEM)1° de Março. Tinhamos férias de 1° a 31 de julho.

Todos dias, antes de iniciar as aulas, cantávamos o hino nacional com a mão no peito e com orgulho, e ai de quem cantasse errado, cruzasse os braços ou aplaudisse após cantar o hino. Cantávamos também o hino da independência e hino à bandeira. Tinha o desfile de 7 de setembro e a gente sempre querendo ser destaque...

O famoso "ki-suco" que com 10 centavos comprávamos e era o único pó que conhecíamos.  Fazíamos 2 litros com um pacotinho e a língua ficava colorida por uns dois dias kkkkk, tinha o chiclete ping pong e drops Dulcora. Época em que ser gordinho(a) era sinal de saúde e se fosse magro, tínhamos que tomar o Biotônico Fontoura. Quando não, a Emulsão Scott, o óleo de fígado de bacalhau! A frase "peraí mãe" era para ficar mais tempo brincando na rua e não no celular ou computador...

Colecionávamos figurinhas, papel de carta, boneca de papel. As brincadeiras eram saudáveis, brincávamos de bater em figurinhas e não nos nossos professores. Jogávamos vôlei, futebol ou taco na rua, nossa aventura era tocar campainha e sair correndo kkkkk

Na rua jogar bola, pique esconde, queimada, namoricos, pega pega, andar de bicicleta, pular corda, elástico..., todo mundo brincava junto e como era bom.

Bom não, era maravilhoso!

Que saudades dessa época em que a chuva tinha cheiro de terra molhada! 

Época em que nossa única dor era quando usávamos mertiolate nos machucados .

Éramos felizes em comparação com esse mundo de hoje onde tudo se torna bullying ou preconceito. 

Claro que respeito as leia e vejo a importância da não discriminação, o que quero dizer é que sempre brincávamos, apesar das inevitáveis brigas, que as vezes chegada "as vias de fato" sem pensar em discriminar ninguém, muito pelo contrário, eu era o "quatro olho" da turma e estava sempre junto, assim como o "gordinho" o |"nanico" e outros, nunca, ninguém era era excluído de nosso convívio social.

Nossos pais eram presentes, educação era em casa. Nada de chegar em casa com algo que não era nosso, desrespeitar alguém mais velho ou se meter em alguma conversa (somente um olhar bastava), e lá vinha o famoso e terrível EM CASA A GENTE CONVERSA. E tinhamos hora pra chegar em casa 10 horas da noite e NEM UM MINUTO A MAIS, e muitos antes dessa hora ou nem saiam.

Tínhamos que levantar para os mais velhos sentarem.  

Fico me perguntando, quando foi que tudo mudou e como os valores se perderam e inverteram dessa forma?”

Época boa demais!!! 

Obrigado ao amigo Eulico, pela lembrança especial.