ARTIGO ESPECIAL "Terapia Ocupacional e a Hospitalização Infantil"

Toda vivência em um âmbito hospitalar pode ser caracterizado como uma experiência estressante, principalmente quando pensamos na hospitalização de crianças. Além dos sintomas relacionados a qualquer diagnóstico, a sensação de enfermidade pode ser considerada ainda mais evidente que sua realidade, pois o medo do desconhecido se torna angustiante quando se trata do diagnóstico, desperta a incerteza dos familiares em relação ao prognóstico e eficácia de procedimentos. 
A hospitalização demanda alterações dos papéis ocupacionais e mudança de rotina, influenciando também nos aspectos físico, mental, emocional/comportamental e social da criança durante a hospitalização. 

A referência afetiva é um fator determinante para o equilíbrio emocional e contribui para amenização do sofrimento da criança diante da complexidade dos procedimentos clínicos. 

A hospitalização pode ocasionar também impacto no desenvolvimento infantil, se não estimulado apropriadamente pelos profissionais pode ocorrer atraso significativos no desenvolvimento neuropsicomotor da criança. 

O profissional de terapia ocupacional pode contribuir para esse público atuando na promoção do desenvolvimento global e manutenção das condições de saúde da criança. 

O terapeuta ocupacional é também o profissional habilitado para avaliar e prover atividades significativas para o individuo, levando em consideração a história de vida, valores culturais, sociais e crenças. Pode analisar o processo de execução das atividades bem como realizar e favorecer a participação social e independência, ressaltando as potencialidades e preferências. Além da ressignificação viabilizada através das atividades terapêuticas, é o papel do profissional adaptar o ambiente para facilitar a autonomia e independência das atividades de vida diária, oferecendo orientações e apoio aos responsáveis. 

Orientamos que profissionais da saúde e acompanhantes de crianças hospitalizadas possam estar atentos a manter as etapas de evolução do desenvolvimento infantil, imprescindível nos processos de internação, principalmente naqueles mais prolongados. Conte com um terapeuta ocupacional para te ajudar nessa importante característica do desempenho.

    FOTO ILUSTRATIVA


Autoria: Thalia Alencar Freitas, Érika Karolina Fogaça, Larissa de Oliveira Coutinho
Supervisora: Professorar Dr Lilian de Fátima Zanoni Nogueira

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
- DE CARLO, MarysiaMara Rodrigues; KUDO, AideMitie. Terapia Ocupacional em Contextos Hospitalares e Cuidados paliativos. São Paulo, 2018. 
- DOMINGUES, Ana Carla G; MARTINEZ, Claudia M.S. AHospitalização Infantil: Buscando identificar e caracterizar experiências de Terapia Ocupacional com crianças internadas. Cadernos de Terapia Ocupacional UFSCar, 2001 V.9.