Governo antecipa abono salarial para nascidos em maio e junho; veja quem tem direito

JORNAL DO GUMA "ECONOMIA"

 BRASÍLIA - Enquanto o governo ainda não encontrou uma alternativa para os efeitos econômicos do fim do auxílio emergencial - encerrado em dezembro -, o Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat) aprovou a antecipação para fevereiro dos pagamentos do abono salarial previstos para março.




De acordo o Ministério da Economia, 8,6 milhões de pessoas receberão o benefício em fevereiro, com uma liberação de recursos que chegará a R$ 7,33 bilhões neste mês.

Em fevereiro, estavam previstos os pagamentos apenas para os trabalhadores nascidos em março e abril. Com a antecipação, também receberão o abono agora os nascidos em maio e junho.

Os trabalhadores que têm contas na Caixa Econômica Federal e no Banco do Brasil poderão sacar os recursos a partir do dia 9. Os correntistas de outros bancos poderão acessar os valores a partir do dia 11.

Têm direito ao benefício anual os trabalhadores de empresas públicas e privadas que receberam em média até dois salários mínimos como remuneração nos últimos 12 meses. É preciso ter trabalhado com carteira assinada pelo menos 30 dias nesse período e o valor do abono - de até um salário mínimo (R$ 1.100) - depende da quantidade de meses trabalhados.

© Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil Recursos estariam disponíveis apenas no dia 17 de março, mas pagamento foi adiantado para fevereiro.

A Caixa depositará o dinheiro na conta corrente informada pelo trabalhador ou na conta poupança digital, usada para pagar o auxílio emergencial, para quem não é cliente do banco. As poupanças digitais podem ser movimentadas pelo aplicativo Caixa Tem, que permite o pagamento de contas domésticas (água, luz, telefone e gás), boletos bancários, compras com cartão de débito virtual pela internet e compras com código QR (versão avançada do código de barras) em estabelecimentos parceiros.

Quem já recebeu


Os trabalhadores que nasceram entre julho e dezembro receberam o abono salarial do Programa de Integração Social (PIS) em 2020. Os nascidos em janeiro e fevereiro tiveram o recurso disponível para saque no mês passado.

Os servidores públicos com final de inscrição do Pasep entre 0 e 4 também receberam em 2020 e com final 5 em janeiro deste ano. O fechamento do calendário de pagamento do exercício 2020/2021 acontece em 30 de junho.

Quem tem direito

Tem direito ao abono salarial 2020/2021 o trabalhador inscrito no PIS há pelo menos cinco anos e que tenha trabalhado formalmente por pelo menos 30 dias em 2019, com remuneração mensal média de até dois salários mínimos. Também é necessário que os dados tenham sido informados corretamente pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) ou e-Social, conforme categoria da empresa.

Recebem o benefício na Caixa os trabalhadores vinculados a entidades e empresas privadas. Em todo o calendário 2020/2021, a Caixa deve disponibilizar R$ 15,8 bilhões para 20,5 milhões trabalhadores.

As pessoas que trabalham no setor público têm inscrição no Pasep e recebem o benefício no Banco do Brasil. Nesse caso, o beneficiário pode optar por realizar transferência para conta de mesma titularidade em outras instituições financeiras, nos terminais de autoatendimento do BB, no portal especifíco do banco para o Pasep, ou ainda efetuar o saque nos caixas das agências. Para o exercício atual, o BB identificou abono salarial para 2,7 milhões de trabalhadores vinculados ao Pasep, totalizando R$ 2,57 bilhões.

Abono 2019/2020

Os trabalhadores que não sacaram o abono salarial do calendário anterior, de 2019/2020, finalizado em 29 de maio do ano passado, ainda podem retirar os valores. O prazo vai até 30 de junho deste ano e o saque pode ser feito nos canais de atendimento com cartão e senha Cidadão, ou nas agências da Caixa.

A consulta sobre o direito ao benefício, bem como ao valor à disposição, pode ser feita por meio do aplicativo Caixa Trabalhador, pelo atendimento Caixa ao Cidadão (0800-726-0207) e no site.

No caso do Pasep, os recursos ficam disponíveis para saque por cinco anos, contados do encerramento do exercício, de acordo com decisão do Codefat. Os abonos não sacados são transferidos automaticamente para o próximo exercício, sem necessidade de solicitação do trabalhador. / COM AGÊNCIA BRASIL.

ESTADÃO