OUÇA A RÁDIO GUMA CLIQUE ACIMA

Mitos sobre coronavírus que foram desmascarados pela ciência

JORNAL DO GUMA "COVID-19"

 Os confinamentos e as medidas extremas tomadas pelas autoridades em face da rápida disseminação de um vírus desconhecido e mortal colocaram a população em xeque. Desinfetantes, roupas especiais para ir ao supermercado e até mesmo a falta de papel higiênico eram situações cotidianas em 2020.


Com a propagação do vírus, alguns mitos sobre essa doença surgiram, como o modo de transmissão, a proteção extrema e até mesmo tratamentos não comprovados pela ciência. Porém, um ano depois de conviver com esse vírus, pesquisadores e a própria Organização Mundial da Saúde (OMS) se encarregaram de analisar cada um dos boatos e mitos sobre o COVID-19, e no La Verdad News contamos quais são.

+ Confederação de municípios pede urgência na aquisição de vacinas

“Covid-19 não é transmitido pelo ar”

Desde o início da pandemia, dizia-se que o novo coronavírus Covid-19 era transmitido apenas por gotículas que a pessoa expulsa ao tossir, espirrar ou mesmo ao falar. No entanto, um grupo de 200 cientistas mostrou, por meio da revisão de estudos, que o vírus também pode se espalhar pelo ar. Esta rota de transmissão aérea é chamada de “por aerossois”. Por esta razão, a ventilação permanente foi considerada a chave para prevenir a transmissão em espaços confinados.

A OMS informou que estudos ainda estão sendo feitos para entender melhor as condições em que a transmissão por aerossol pode ocorrer. E recomendou evitar eventos com muitas pessoa, bem como evitar o contato próximo (menos de 2 metros) com qualquer pessoa mesmo sem sintomas, como disse, é o melhor maneira de prevenir o contágio.

“Covid-19 afeta apenas os idosos”

As autoridades determinaram que existem pessoas que apresentam fatores de risco que aumentam suas chances de desenvolver uma doença grave, entre as quais se destacam: idosos, pessoas com doenças crônicas e obesos, sem isso não significa que aqueles que não pertencem grupos de risco não podem pegar a doença. Na verdade, de acordo com o que foi publicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), pesquisas indicam que crianças e adultos jovens têm a mesma probabilidade de serem infectados pelo coronavírus.

“O tempo quente mata Covid-19”

Após a descoberta do vírus, em janeiro de 2020, imagino-se que o coronavírus afetaria apenas no inverno. No entanto, a pandemia progrediu mais rapidamente no verão. Pesquisadores demonstraram que Covid-19 pode sobreviver mesmo em temperaturas superiores a 25 graus. Mesmo se estiver quente ou frio, chuvoso ou ensolarado.

“O vírus pode fixar na sola do pé”

Outras medidas implementadas foram a desinfecção dos calçados ao chegar da rua, porém, já foi demonstrado que a possibilidade de transmissão do vírus pela sola é realmente muito baixa. Apesar disso, as autoridades recomendam deixar os sapatos antes no espaço de espaços onde crianças engatinham ou brincam no chão.

“Pulverizar cloro no corpo mata o vírus”

Sem dúvida, este é um dos mitos mais perigosos, já que alvejantes (erroneamente chamados de cloro) e outros desinfetantes podem ser tóxicos se ingeridos, o mesmo vale para o metanol e o etanol. Em contato pode irritar e danificar a pele e os olhos. Essas substâncias devem ser usadas apenas para desinfecção de superfícies.

ISTO É

Postagem Anterior Próxima Postagem

INVISTA AQUI