Consumidor deve gastar quase R$ 400, em média, nas MPEs com presentes de Natal

JORNAL DO GUMA
Da Assessoria
  • Para cerca de 60% dos empreendedores, vendas neste fim ano serão melhores do que no mesmo período de 2020, segundo pesquisa do Sebrae-SP

 

De um lado, pessoas dispostas a gastar quase R$ 400 com presentes; do outro, a maioria dos empreendedores esperando vendas melhores neste fim de ano na comparação com o mesmo período de 2020. Esse cenário foi registrado em duas pesquisas realizadas pelo Sebrae-SP sobre o comportamento dos consumidores e a expectativa de movimentação dos pequenos negócios no Natal.

     Ilustrativa


De acordo com o levantamento, o tíquete médio de quem pretende comprar de pequenos negócios paulistas neste fim de ano será de R$ 392,84. Por sua vez, 60,7% dos responsáveis por esses negócios acreditam que as vendas de Natal em 2021 serão melhores do que as do ano passado.

 

A pesquisa mostrou, também, que as vendas de Natal devem beneficiar 29,3% das micro e pequenas empresas (MPEs) paulistas, o que representa cerca de 575 mil empresas.

Na lista de presentes a serem adquiridos pelos consumidores estão, principalmente, itens de vestuário e calçados (49%) e cosméticos, perfumaria e colônia pós-barba (30%).

Além disso, os clientes dos pequenos negócios pretendem comprar, em média, 2,8 presentes.

 

“Depois de um Natal difícil em 2020, a maior parte dos empreendedores chega mais confiante neste fim de ano, com uma perspectiva boa para o faturamento. Isso é reflexo do avanço da vacinação, que propiciou uma melhor retomada da atividade econômica presencial. O empresário que se preparou e organizou o empreendimento para atrair e atender bem o consumidor vai ter resultados melhores”, 


afirma o diretor-superintendente do Sebrae-SP, Wilson Poit.

 

Segundo a pesquisa, 47% dos consumidores de pequenos negócios disseram que pretendem aproveitar promoções e descontos e 45,9% têm preferência pelo pagamento à vista. Além disso, há um equilíbrio na forma de fazer compras: 52% deverão ser realizadas presencialmente e 48% no modelo online.

 

Outro ponto de uniformidade revelado pelo levantamento diz respeito a como os benefícios das vendas de Natal serão distribuídos entre os setores: 31,2% para a indústria, 30% para o comércio e 29,5% para os serviços.

 

Apesar de os benefícios das vendas de Natal para as empresas se concentrarem principalmente em dezembro (84,6%), eles começam a aparecer em outubro (9,6%), aumentam em novembro (54,2%) e se estendem para janeiro (10,3%).

 

As pesquisas

 

A pesquisa sobre compras feitas nos pequenos negócios foi realizada por e-mail com 670 pessoas em todo o Estado de São Paulo de 29 de novembro a 3 de dezembro. O levantamento sobre as vendas das MPEs no Natal ouviu por telefone 1,7 mil empreendedores em novembro, tendo sido realizado com a colaboração da Fundação Seade.