Deputada federal sugere projeto de lei que acaba com a frase "vos declaro marido e mulher" durante as cerimônias de casamento

JORNAL DO GUMA
Do Bola VIP

blogdobarreto.com.br

A deputada federal Natália Bonavides (PT-RN) propôs um projeto de lei (PL 4004/21) que encerra a obrigatoriedade de mencionar o gênero nas cerimônias de casamento. Segundo o projeto, haveria o fim da tradicional frase "vos declaro, marido e mulher". A mudança proposta seria para a fala "de acordo com a vontade que acabam de declarar perante mim, eu, em nome da lei, declaro firmado o casamento".

© Reprodução/Instagram

Caso o PL seja aprovado, ele mudaria o artigo 1.535 do Código Civil, que presume a utilização das palavras "marido e mulher" nas solenidades de casamento. O objetivo da lei seria garantir a diversidade e respeito aos casamentos homoafetivos e não-binários, o que nem sempre ocorre. "Isso ainda está acontecendo (desrespeito), naquele que era para ser o dia mais feliz da vida delas", explicou a deputada federal Bonavides ao jornal Jota.

O projeto de lei precisa ser colocado em pauta pelo presidente da Câmara Arthur Lira para ser discutido nas duas casas. Reprodução/Instagram
A última atualização do Código Civil aconteceu em 2002, porém se manteve o texto original de 1916 sobre a realização de casamentos civis. Ainda que houve o reconhecimento da união estável de casais do mesmo sexo pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em 2011, não existe uma lei regulamentando o tema no Brasil.


Eu vos declaro Marido e Mulher?!��

Nem sempre!

O Código Civil exige que a expressão "Marido e mulher" seja dita para que qualquer casamento seja celebrado. Apresentamos projeto para garantir respeito à diversidade. pic.twitter.com/mVPKblqMRv

— Natália Bonavides (@natbonavides) November 13, 2021

Projeto de lei da deputada federal Bonavides ainda não foi discutido no Congresso

No momento, o projeto de lei da deputada federal Bonavides não chegou a entrar em pauta na Câmara dos Deputados. Para o PL poder ser discutido pelos parlamentares, ele precisa ser apreciado pelo então Presidente da Câmara, o deputado Arthur Lira (PP-AL), fato que ainda não ocorreu.