OUÇA A RÁDIO GUMA CLIQUE ACIMA

Com vacinas PRÓPRIAS, Cuba é destaque no combate à covid

JORNAL DO GUMA
Do Poder 360


Cuba já vacinou mais contra a covid-19 do que grande parte dos países ricos: 93% já tomaram ao menos uma dose. Só os Emirados Árabes Unidos (99%) e Portugal (94%) têm índices de vacinação melhores do que a ilha caribenha.

O êxito da campanha de vacinação em Cuba, que começou em maio de 2021, não foi uma surpresa para epidemiologistas. A prestigiada medicina geral e preventiva do país é referência global.

Enquanto a OMS (Organização Mundial de Saúde) alerta para a falta de vacinas em nações mais pobres do continente africano –onde só 9,4% da população receberam pelo menos uma dose–, o pequeno país latino-americano investe desde março de 2020 no desenvolvimento de suas próprias vacinas.

  • Hoje, 3 imunizantes anticovid da farmacêutica estatal BioCubaFarma são aplicados no país.

© Fornecido por Poder360

A BioCubaFarma realizou um estudo que indica que duas doses da Soberana 02 e uma dose de reforço da Soberana Plus garantem 92,4% de eficácia contra a covid sintomática. Apenas as duas doses da Soberana 02 já oferecem eficácia de 71%, segundo a farmacêutica.

A pesquisa foi publicada em 1º de novembro de 2021, no Medrxiv –portal vinculado à Universidade de Yale, em que são divulgados artigos científicos sobre a área da saúde. Eis a íntegra (797 KB).

Em entrevista a jornalistas, em julho de 2021, Eduardo Martínez Díaz, presidente da BioCubaFarma, disse que a verificação da eficácia é resultado de “um processo rigoroso” de avaliação. Porém, o estudo é preliminar e ainda precisa ser validado pela comunidade científica internacional.Formulário de cadastro
Poder360 todos os dias no seu e-mail
concordo com os termos da LGPD.

INVESTIMENTOS DE CUBA EM BIOTECNOLOGIA

Mas como Cuba, um país pobre que enfrenta duras sanções por parte dos Estados Unidos, conseguiu desenvolver com sucesso vacinas anticovid? Quando estava no comando do país, Fidel Castro investiu não apenas na formação de médicos, mas em biotecnologia. Além de representar um investimento no futuro, essa aposta visava driblar as restrições dos norte-americanos.

“Se surge um medicamento novo, nosso país não pode adquirir”, disse Castro em 1989, quando esteve no Brasil e visitou a sede da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz).

© Fornecido por Poder360
Reprodução/Facebook – Bio-Manguinhos/FiocruzFidel Castro em visita à Fiocruz, em 1989

Ao falar da vacinação infantil contra a covid (Cuba está imunizando a população acima dos 2 anos), o Ministério da Saúde lembra tanto de Castro como do longo bloqueio norte-americano.

© Fornecido por Poder360© Fornecido por Poder360

A única vacina aplicada em Cuba que não é desenvolvida no país é a Covilo, da Sinopharm. Com tecnologia diferente dos imunizantes cubanos, a vacina chinesa usa vírus inativado (como a CoronaVac) e já foi aprovada por 85 países, incluindo o Brasil –apesar de não ser usada por aqui.

Desde o início da campanha de imunização, a pandemia está mais controlada na ilha. Apesar de o número de casos ter aumentado com o surgimento da variante ômicron, está longe do que era em meados de 2021, pico da pandemia no país. Cuba registrou seu maior número de novos casos diários em 24 de agosto: 9.416. Até 4ª feira (19.jan), a média de casos em 7 dias era de 3.316,29, segundo o Our World in Data.

O mesmo ocorre com as mortes por covid. Em agosto do ano passado, o número de mortes diárias estava em torno de 80. Agora, raramente passa de 10.
VACINAÇÃO MUNDIAL

Hoje, 60,3% da população mundial recebeu pelo menos uma dose de vacina anticovid. Segundo o Our World in Data, 9,82 bilhões de doses foram administradas globalmente e 28,77 milhões são aplicadas todos os dias.

No entanto, a desigualdade vacinação é grande e Cuba pode ter um papel importante para reduzir isso. Suas vacinas são desenvolvidas com a tecnologia de subunidade proteica, com fragmentos de proteínas do coronavírus criados para imitar a estrutura do vírus. O uso dessa tecnologia torna as vacinas mais baratas e fáceis de produzir em larga escala. Além disso, os imunizantes não requerem ultracongelamento.

A produção em larga escala pode ser um entrave para a exportação de vacinas. Ao falar com jornalistas em julho, o presidente da BioCubaFarma citou dificuldades em comprar insumos devido às sanções. “Continuamos a fabricar, mas se não fossem estes entraves, a disponibilidade de doses de vacinas seria maior”, falou Díaz.

O governo cubano se mostrou disposto a negociar a quebra de patentes das vacinas, ao contrário de outros governos e empresas farmacêuticas. O tema vem sendo alvo de apelos constantes da OMS e de outras entidades internacionais.

Para exportar as vacinas, o país comunista aguarda a liberação dos seus imunizantes pela OMS. Dados de ensaios clínicos ainda precisam passar por revisão científica internacional.
Postagem Anterior Próxima Postagem

INVISTA AQUI