Infectologista prevê explosão de covid no Brasil em 15 dias

JORNAL DO GUMA

Do Catraca Livre

Em entrevista à CNN, o infectologista Marcelo Otsuka, do Departamento de Infectologia Pediátrica da Sociedade Brasileira de Infectologia, disse que, em 15 dias, o Brasil deve alcançar um recorde de casos de covid-19. E duas razões estarão por trás disso: o avanço da variante Ômicron e os encontros nas festas de fim de ano.


© Alessandro Biascioli/istock Medical worker wearing personal protective equipment doing corona virus swab on female patient - Covid19 test and health care concept

Segundo Otsuka, o pico deve ser semelhante ao que tem sido registrado em outros países.

“A gente calcula que, pelos próximos 15 dias ou três semanas, (a variante Ômicron do coronavírus) possa atingir um pico semelhante ao da França, Reino Unido ou Estados Unidos, isso pode, sim, acontecer”, diz o médico.

Na segunda-feira, 3, o mundo registrou recorde de infecções, com 2,4 milhão de infectados em um único dia. Os Estados Unidos foram os responsáveis por puxar essa alta, já que o país registrou mais de 1 milhão de casos de covid em um único dia.

Falha em diagnósticos

Para Otsuka, além da falta e testagem no Brasil, a situação fica ainda mais complicada por conta da confluência dos casos de gripe no país, que dificultam a identificação dos quadros de covid e influenza.

“O Brasil ainda testa muito pouco. Temos uma taxa de positividade de 38%, e esses países têm uma taxa de 8%”, afirma. “Podemos perder muitos diagnósticos, pode haver novas variantes e pessoas mais suscetíveis a terem quadros mais graves”, afirmou.

O infectologista alerta que é esse não é o momento para baixar a guarda e que “qualquer situação no futuro depende do comportamento da nossa população e orientações passadas a ela”.

Veja também: Mundo bate recorde de 2,4 milhões de novos casos de covid em 24h

Veja também: Descoberto primeiro sintoma da Ômicron que passa despercebido