OUÇA A RÁDIO GUMA CLIQUE ACIMA

Guerra das Malvinas segue como "ferida aberta" na Argentina

JORNAL DO GUMA
DO DW
  • Conflito de que o Reino Unido saiu vencedor é tema recorrente na cultura e no imaginário coletivo da Argentina, 40 anos depois.


©PA/empics/dpa/picture alliance Soldados argentinos capturados pelos britânicos nas Malvinas

Campo minado é o nome da peça que está sendo apresentada em Buenos Aires e que reúne veteranos argentinos e britânicos que lutaram na Guerra das Malvinas (de 2 de abril de 1982 a 14 de abril de 1982, com vitória do Reino Unido), uma guerra que marcou profundamente a história do país sul-americano, a ponto de ser objeto de estudos acadêmicos, livros, documentários e até mesmo filmes.

Quarenta anos após a tentativa de tomar o controle territorial das ilhas por meio de uma invasão que o tempo mostrou ser improvisada, a Argentina está mais uma vez refletindo sobre o que aconteceu, os erros e a marca indelével de um confronto que durou 10 semanas e deixou 649 militares argentinos mortos.

"A guerra marcou o país porque a causa da recuperação das Ilhas Malvinas, ocupadas pelo Reino Unido desde 1833, é uma causa nacional. É algo que se ensina nas escolas, durante gerações fomos educados com a ideia de recuperar as ilhas", disse à DW o historiador e escritor Federico Lorenz, autor de inúmeros livros sobre o assunto, incluindo Todo lo que necessitas saber sobre Malvinas. "Quando o desembarque aconteceu, os soldados tinham muito apoio popular", explica Lorenz. O problema surgiu após a derrota, quando o país foi repentinamente confrontado com duas realidades devastadoras, acredita o especialista.

"Quando a guerra terminou com a derrota da Argentina, foi tremendamente frustrante porque nos fez perceber que estávamos vivendo sob uma ditadura. E a perda do medo da ditadura de Leopoldo Galtieri devido ao fracasso militar nos levou a denunciar os crimes que haviam sido cometidos desde 1976. Diríamos que foi uma sobreposição de dois choques: a derrota nas ilhas e a dor de ver o país em que estávamos vivendo", diz ele.

Sorte de uns, tragédia de outros

Durante a guerra, o historiador Fernando Soto Roland prestou serviço militar na Marinha. Embora ele não tenha sido enviado ao "teatro de operações", como a zona de combate foi eufemisticamente chamada, ele viu coisas que o surpreendem até hoje. Quarenta anos depois do início do conflito, ele entrou em contato com antigos camaradas com os quais ele agora troca lembranças daqueles anos.

"Eu era apenas um marinheiro e tive muita sorte", diz à DW. "Foram três meses de tremenda ansiedade, três ou quatro vezes nos disseram que íamos para as Malvinas e, por razões que não sei, essa transferência acabou não ocorrendo", explica. "Tive sorte de não me tornar inválido ou ter problemas psiquiátricos, como tantos veteranos", acrescenta. Rindo, ele diz que atualmente é um reservista da Marinha "e eu nem sei como dar um nó de marinheiro". No serviço militar, me ensinaram mal e não aprendi nada lá", observa.

© EPA/dpa/picture alliance Ditador Leopoldo Galtieri quis assegurar poder com recuperação das ilhas

Há outros que tiveram menos sorte. O distúrbio de estresse pós-traumático atingiu duramente muitos combatentes e um número desconhecido, entre 300 e 450 deles, cometeu suicídio após a guerra. Outros enfrentam seus demônios escrevendo ou formando grupos para reivindicar seu papel de combatentes e, em muitos casos, também como vítimas.

Victoria Torres é acadêmica da Universidade de Colônia na Alemanha e escreveu numerosos trabalhos sobre a Guerra das Malvinas, focalizando as contas autobiográficas. Ela mesma diz que está ligada ao conflito pelas lembranças de sua infância, quando viu seus amigos partirem para o sul da Argentina com armas nas mãos.

No livro Poesía Argentina y Malvinas. Una antología, que ela coordena com Enrique Foffani, reúne dezenas de textos relacionados às ilhas, incluindo vários de ex-combatentes. Muitos deles escrevem sobre um assunto que foi tabu durante anos: transtorno de estresse pós-traumático e suicídio. "De 1982 a 2000, o assunto não foi discutido porque os soldados tiveram que assinar um pacto de silêncio para receber a baixa quando retornaram das Malvinas.

E eles foram sobrecarregados com isso, o que teve uma série de efeitos que levaram ao alcoolismo, drogas, violência doméstica e suicídio. É disso que se está falando mais. Mas a literatura também abordou isso, especialmente a poesia. Há poesia sobre o suicídio, e poetas ex-combatentes que escrevem sobre seus camaradas que cometeram suicídio. Contá-lo no papel serve como uma catarse e uma forma de transmitir aos outros o que eles passaram", diz Torres.

No DNA da Argentina

"Desde 1994, a Constituição argentina tem uma cláusula transitória que busca a recuperação pacífica das ilhas", diz Lorenz. "Malvinas é um sentimento, como se diz na Argentina, mas ainda falta ver que políticas são feitas com esse sentimento", acrescenta ele. "A presença das Malvinas é tão forte em nossa memória que leva tempo para pensar sobre como resolver o conflito. Não pensamos muito no que faríamos com as ilhas, estamos muito na lógica de pensar sobre a guerra e não pensar em que tipo de país queremos ser aquele que recupera as Malvinas. Pode ser uma maneira formidável para pensar no que nos une como um país, não apenas a recuperação de um território", diz Lorenz.

Em La guerra menos pensada, Torres − junto com Miguel Dalmaroni − pede a numerosos autores que escrevam sobre as Malvinas. No livro, eles definem a guerra como "uma ferida aberta, um episódio que não se fecha". Um enorme passo no caminho da cura foi dado quando os combatentes começaram a ser reconhecidos. Muitos deles se sentem heróis; outros, vítimas. Alguns reivindicam o que consideram um ato heroico. Mas todos concordam, segundo Torres, que durante muitos anos, no rescaldo imediato da luta, houve uma tentativa de tornar os veteranos invisíveis, algo que o filme Iluminado pelo fogo, de 2005, expõe com força.

"A cultura se encarregou de desarmar os discursos que vinham do governo de fato. Pode-se dizer que desde 1982 não passou um ano sem que se exercitasse a recuperação da memória da guerra. Eu defendo a tese de que Malvinas pertencem ao DNA da Argentina", diz Torres. "É um conflito que, como não está encerrado, continuará a nos acompanhar", acrescenta. "A mera marcha sobre as Malvinas me faz sentir mal. Foi uma guerra de uma ditadura que deveria prolongar-se pelo tempo. A morte de todos aqueles soldados inocentes, despreparados e mal equipados, e também graças a muitos soldados de carreira que deram suas vidas por seu país, nos permitiu recuperar a democracia mais rapidamente".

Autor: Diego Zúñiga

Postagem Anterior Próxima Postagem

INVISTA AQUI