OUÇA A RÁDIO GUMA CLIQUE ACIMA

'O mundo, às vezes, reserva surpresas', diz Moro sobre candidatura à Presidência da República

JORNAL DO GUMA

DO Estadão 

O ex-ministro da Justiça Sérgio Moro evitou fechar as portas sobre a hipótese de ser o candidato a presidente pelo União Brasil e reiterou que seu nome “está à disposição” para um projeto nacional. “O mundo às vezes reserva surpresas”, admitiu em entrevista à Rádio Eldorado.

Moro não revelou qual seria seu "plano B" caso a candidatura presidencial - da qual ele já havia aberto mão publicamente ao migrar do Podemos para o União Brasil - não se confirme. "Há muitas alternativas”, afirmou. “Tudo passa por uma construção pelo partido político. Eu posso ser candidato a um eventual cargo, mas isso ainda estamos discutindo”, completou. Recentemente, ele havia afirmado que poderia também ficar de fora das eleições.

Moro voltou a defender a construção de um acordo em torno de um único nome de centro que quebre a polarização Lula-Bolsonaro e venha ou de um “partido robusto” ou de uma “aglutinação do centro”: “Precisamos ter uma candidatura de centro, moderada no polo político, disposta a fazer as reformas que o Brasil precisa e que apresente integridade". Para o ex-juiz, dois critérios devem ser levados em conta na escolha da candidatura em consenso: "uma mistura de avaliação de estrutura partidária e intenção de voto, porque quem decide é o eleitor".

O União Brasil já possui um nome como pré-candidato à Presidência da República, o deputado e presidente da sigla, Luciano Bivar (PE). O anúncio foi feito no início de abril, após a chegada de Moro ao partido. Há um pré-acordo entre o União Brasil, o MDB, o PSDB e o Cidadania para que as siglas caminhem juntas. Além de Bivar, o grupo avalia ainda a possibilidade de lançar a senadora Simone Tebet (MDB-MS) ou o ex-governador de São Paulo João Doria (PSDB).

Pesquisas eleitorais recentes mostram que a desistência momentânea de Moro da disputa presidencial tem favorecido uma migração de votos do ex-juiz para o presidente Jair Bolsonaro (PL). Para o ex-ministro, esse processo consiste em um “movimento natural”. "O eleitor ainda não está tão focado no período eleitoral. Quando o meu nome sai das pesquisas, é natural os meus eleitores se dividirem.”

Postagem Anterior Próxima Postagem

INVISTA AQUI