"Solução para o Caos no transporte urbano" POR J BARRETO

JORNAL DO GUMA "ARTIGO ESPECIAL"

Um dos principais problemas, talvez o maior, das grandes metrópoles seja o transporte, pois toda e qualquer atividade depende do mesmo.




Para tentar ameniza-los criam-se grandes projetos em alargamento de espaços e na aquisição de mais veículos coletivos (ônibus, trens, etc.), e que por envolver bilhões de reais e a impossibilidade de abertura de novas e grandes avenidas, estes projetos não saem do papel, e o caos continua.

Porém há um jeito simples e que não envolve gastos adicionais para sua realização, o qual seria dividir as atividades em 3(três) turnos; por exemplo; a indústria começaria seu trabalho às 7h (o que já ocorre no horário de verão), teria uma hora para almoço e sairia às 16h. A prestação de serviços começaria às 8h: 30 min e sairia às 17h: 30 min e o comércio começaria às 10h e sairia às 19h.Para equacionar o volume de cada categoria pode-se remanejar setores de uma atividade para o período de outra e assim equilibrar o fluxo de passageiros.

Imaginemos que um industriário tenha que sair um pouco mais cedo de casa, mas tendo a certeza que encontrará seu assento no coletivo ou espaço para seu carro no trânsito, pois 2/3 das atividades ainda estarão em suas casas, assim ele chegaria ao trabalho menos estressado, portanto podendo produzir mais e melhor. Na volta para casa repetiria a mesma situação e chegaria mais tranqüilo.

Para os prestadores de serviços seria a mesma situação, pois uma categoria já teria ido e a outra só viria mais tarde, estes mesmos argumentos serviriam para os comerciários. Sei muito bem que as industrias estão predominantemente localizadas nas periferias, e o comercio e a prestação de serviços por uma questão lógica estão nos centros ou em bolsões de certos bairros, portanto será necessário haver uma adequação na distribuição da frota, mas para isso ai estão os técnicos em transito para resolver estes problemas.

Com a implantação deste projeto poderia facilmente aumentar em 40% a capacidade de transporte, sem a necessidade de se adquirir novas unidades, e com isso teria mais verbas para investir em saúde, educação, saneamento, etc.

Outro grande benefício seria o bem estar das pessoas em seu local de trabalho e na convivência familiar, pois uma pessoa menos estressada torna-se mais amável e mais compreensiva, contribuindo assim para sua saúde e o trato com outras pessoas.

Também podemos notar que com este sistema acabaria com o pico dos chuveiros ligados o qual hoje é um grande problema na distribuição de energia. Se este sistema for implantado em São Paulo, que tem grande força política e econômica, mesmo que tenham que enfrentar a máquina burocrática, todas as outras grandes cidades seguiriam seu exemplo e assim todo o Brasil seria beneficiado.

Não nos esqueçamos que vem aí uma Copa e uma Olimpíada.

Infelizmente há dois grandes empecilhos, até mesmo maior que a burocracia, um chama-se Propina e o outro Doação de Campanha, mas tenho certeza que o espírito de Brasilidades de nossos governantes falará mais alto.

Avaré, 19 de junho de 2011.

J.Barreto

P.S: Se esta idéia for uma utopia, eu gostaria de receber uma resposta com os argumentos que a torna impraticável.