AMIGOS DO GUMA Destaques

INFORMAÇÕES (14) 99774-6933

contador de visitas


PERSONARE


Osvaldo Titonelli “O Comunicador”

 Osvaldo Titonelli - este paulista de Palmital veio para Avaré ainda com quatro anos de idade, no ano de 1959. Aqui estudou e constituiu família. Ainda no “Serviço de Alto Falante Santa Cruz” que tinha o slogan “A VOZ MAIS ALTA DA CIDADE” iniciou sua carreira radiofônica, sucedendo Abarey que ingressava no funcionalismo público, isto em 1971.
Juntamente com Geraldo Paschoal, Titoneli mostrava seu talento inovando no estúdio e na sonorização descobrindo seu verdadeiro talento, o de comunicador.
Passou pelas rádios: Avaré AM, Segura Peão FM, Interativa FM, e Panorama FM, onde se tornou um radialista atuante e respeitado em especial pelo trabalho de resgate e preservação da música raiz.
Dono de um estilo definido, adquirido ao longo de sua carreira e características que determinam seu comportamento e postura diante dos microfones das emissoras de rádio, forma de manifestar o raciocínio e de expressar onde se faz entender pela seriedade e respeitos pelos ouvintes.
Titonelli atua hoje na Rádio Cidadania FM todos os sábado das 5 as 10h00min horas com o Programa “Encontro Sertanejo”, onde traz o sertanejo em suas várias formas desde música raiz até o chamado “universitário”.
Ainda de segunda a sexta feira Titoneli é o apresentador do CAFÉ BRASIL, na mesma Cidadania FM levando também os  sucessos da musica brasileira popular de todos os tempos.
Mais um dado de relevância que merece o destaque nesta coluna: Osvaldo Titonelli foi o primeiro a abrir um espaço exclusivo aos talentos avareenses, o quadro, “Nossa Terra, Nossa Música, Nossa Gente” conta com a colaboração de Abarey, integrante do Clube da Viola e Sanfona, “Vozes de Avaré- Terra do Verde, da Água e do Sol”, resgata e remasteriza selecionando em CDs desde Tuta e Tota, anos 50 até os dias de hoje.
Colaborador para edição deste texto: Abarey - Clube da Viola e Sanfona de Avaré.
Nota do Editor:
Osvaldo Titonelli pensei numa forma de agradecer a você pela força ao meu ( que a tanto esperava) retorno ao Rádio. Achei aqui uma boa forma de tornar publico o respeito e admiração que tenho pelo amigo que afirmo ser o responsável pela minha continuidade e crescimento profissional neste veículo cativante que é o rádio.
Gumercindo Castellucci Filho, Guma -  Apresentador do Programa do Guma “Mistura de Sábado” das 10 as 12 horas na Rádio Cidadania FM www.radiocidadania.com.br – 104.9 Mhz, onde Titoneli cuida da técnica de áudio.

PERSONARE



Anita e suas bonecas de pano que encantam todas as gerações



Ana Gonçalves de Campos, Anita nasceu em 24 de novembro de 1936 na cidade de Óleo-SP.
Depois de uma passagem por Águas de Santa Barbara e Cerqueira Cesar onde trabalhou como Costureira (confeccionava os mais diversos modelos e era conhecida como profissional gabaritada em roupas de gala) veio para Avaré no final dos anos 50 acompanhando seu marido, o saudoso Mauro Garcia que trabalhava no Laticínio União (prédio desativado e praticamente destruído na esquina das Ruas Maranhão e Distrito Federal).
Com o encerramento das atividades do União, seu marido então se tornou seu sócio e montaram um loja especializada em confecções, muitas delas confeccionadas pela própria Anita.
O negócio caminhava bem até a compra do imóvel onde segundo Anita “... tudo se perdeu... um sonho realizado... um infindável pesadelo” - são seus comentários ao citar de forma emocionada sua vivência no sobrado que se localiza na mesma citada esquina (Rua Maranhão com Distrito Federal, em frente ao prédio onde funcionava o Laticínio). Isto porque as sucessivas (até hoje) enchentes daquela área a levaram a perder tudo o que construíra até então em prejuízo inclusive de sua saúde e que levou ao falecimento de seu marido, no ano 2000.
As dividas acumuladas a levariam ao um desespera ainda maior até que um determinado dia surgiu á sua porta “o anjo das bonecas”.
A referência dada por Anita tem sua razão de ser aquela senhora que lhe fez então uma inusitada encomenda, a confecção de certo numero considerável de bonecas de pano.
Apesar de não ter especialidade neste tipo de trabalho, a necessidade a fez trabalhar e produzir a encomenda que foi paga antecipadamente. Quando a simpática senhora que lhe fez o pedido veio buscar não poupou elogios e disse que iria embora, pois residia nos Estados Unidos, mas que voltaria para uma encomenda ainda maior.
Empolgada, então Anita começou a produzir inúmeras versões de bonecas de pano, incluindo imagens de santos (como a que tenho em meu escritório, de São Francisco) e as encomendas não mais pararam e é o fruto de seu sustento.
Vendendo o imóvel que permitiu tanto desgosto, hoje Anita mora numa casa simples, mas muito confortável e acolhedora dividindo seu espaço com as centenas de bonecas que dão uma visão de “entrar num conto de fadas” a quem a visita.
As filhas Ana Leide e Vera Neiza não poupam elogios e palavras de carinho à homenageada da coluna PERSONARE desta semana ANA GONÇALVES DE CAMPOS, a quem eu tenho orgulho de poder chamar de grande e querida amiga ANITA. Por Guma Castellucci www.redeguma.com
SUGESTÃO DE PRESENTE – AS BONECAS DE PANO DA ANITA

Rua João Beca, 345 – Fone (14) 3732-3348

PERSONARE

IZA PEREZ



Conheça a artista de Avaré que irá expor seus trabalhos em Londres
Iza Peres um artista plástica de referência internacional


A coluna Personare desta semana homenageia uma referencia na área de artes plásticas em Avaré. Dona de um estilo próprio Iza Peres se prepara para exposição inédita de uma obra sua em Londres na Inglaterra
O convite para participar veio da empresa Eric Art e estará dentro do evento de arte brasileira, em Julho de 2012, com um grupo de artistas que representarão o Brasil, sendo Iza a representante pela região de Avaré.
Iza Peres é uma artista plástica com especialidade em afresco, semi-afresco, afresquite, e também em encáustica.
Desde cinco anos de idade Iza demonstrou interesse pela arte em especial pintura e há aproximadamente dez anos se dedica de forma profissional as artes plásticas.
Descendente de espanhóis tinha como sonho a pintura de telas com prédios históricos do Bairro do Braz em São Paulo, o que não se concretizou devido a ser na época muito jovem e posteriormente seu casamento que a levou a residir em mais de oito cidades.
Quando finalmente chegou a Avaré, sua paixão imediata pela cidade devolveu o interesse na pintura de patrimônios históricos e foi atrás de um dos pontos mais famosos da cidade a Casa Verde, que conhecia através de foto, mas que quando chegou havia sido demolida. A frustração, porém não a impediu de fazer uma pintura de outro ponto tradicional de Avaré, a Casa Chaddad.
Depois de participar de inúmeras exposições coletivas, a artista assumiu o cargo de mestre e reitora da Academia de Belas Artes F Tegani no imóvel anexo do Memorial Histórico e Artístico Tininho Negrao, que foi juntamente com seu mestre F Tegani pintado com ilustrações de fotos de pessoas e espaços de Avaré, que compõe sua história.
Fato recente foi a pintura de uma tela doada para a Secretaria de Meio Ambiente que retrata uma poesia de Avareense sobre o aquecimento global.
Dentre os novos projetos destaca-se a ideia da Exposição MULHER prevista para após a jornada internacional.
.A homenageada fez questão de agradecer ao Secretário de Cultura, Gilson Camara, ao Prefeito Barcheti, ao Dr Tininho Negrão (grande amigo e incentivador), ao mestre F Tegani e todo os demais que contribuiram de alguma forma para a realização de seu sonho.
Nota Editorial* IZA PERES é uma amiga da qual tenho orgulho de possuir duas de suas obras e assim como todos os avareenses estou na torcida pela sua consagração no cenário das Artes Plásticas em todo mundo. Tenho portanto a honra de levar esta minha homenagem a mais esta Amiga do Guma (Guma Castellucci – www.redeguma.com)

A Exposição
A data da exposição será de 03 a 09 de Julho de 2012 em Londres no momento em que o país sedia as Olimpiadas.
Link de eventos - Eric Art: http://www.youtube.com/user/ericartbrazil


PERSONAREPERSONARE



ARÍS PIMENTA
A dedicação de mãe determinou a atividade comercial
Avaré se tornou conhecida nacionalmente pela marca de um produto que nos primeiros tempos de sua fabricação ainda era produzido na cidade de Cerqueira Cesar embora levasse o nome que referenciava a nossa cidade.
Desde então a hoje Estância Turística de Avaré manteve o Doce de Leite como única referencia da cidade no setor de alimentos e produtos culinários.


Mas existe um casal que tem se dedicado a produção artesanal de licores e alimentos diferenciados que também levam o nome de Avaré. Os produtos ARIS ART ALIMENTOS já são conhecidos (e reconhecidos) como tipicamente Avareenses, graças à dedicação de Aris e Humberto Pimenta que fazem questão de rotular nas embalagens de seus produtos o nome AVARÉ.
Pessoas de hábitos simples e das quais tenho o privilégio de ter amizade e um bom relacionamento, sou assíduo“provador” das especiarias ARIS, que conheci acompanhando um pouco da (que poderia ser) carreira de modelo de Andressa Pimenta (a filha mais nova) que hoje, porém estuda MUSICOTERAPIA em São Paulo e que foi minha “cúmplice” nesta homenagem feita como surpresa a “mamis” ARIS PIMENTA, sem deixar de citar o “papis” Humberto, termos carinhosos usados por DRÊ na tratativa com os pais.                             A HISTÓRIA



Interessante citar que ARIS nascida na cidade de Frutal, Minas Gerais, morou em uma casa (geminada) que ficava ao lado da casa de Humberto, logo que se mudou para São Paulo, e, no entanto somente se conheceram depois que se mudaram deste imóvel, na casa de uma amiga em comum.
Após um tempo de namoro casaram-se e resolveram mudar para Avaré.
...EM AVARÉ
ARIS, após o nascimento da filha (Andressa e Andrea) resolveu então deixar seu trabalho para se dedicar as meninas, fato que Andressa faz questão de frisar tamanha dedicação da “mamis”. Os dias então na casa dos Pimenta eram um verdadeiro “parque infantil” com brincadeiras de cabaninhas, casinhas e realização de gincanas dos mais diversos gêneros.
Para incentivar a alimentação correta e saudável Aris preparava, ela mesma, os alimentos e os congelava para terem umas maiores vidas úteis, e por vezes amigas que a visitavam acabavam experimentando as especiarias e sempre elogiavam. Ainda segundo Andressa a mãe fazia alimentos, os mais diversos em forma de bichinhos e objetos sempre coloridos que chamavam a atenção e agradavam qualquer criança.

Desta forma com a procura (num primeiro momento só de um grupo de amigos) das guloseimas, foi se constituindo uma atividade comercial a qual cresceu com o resgate das receitas da Vovó de Aris, que hoje constituem o produto principal da Aris Art Alimentos, bem como os maravilhosos licores de todos os sabores como exemplo de Aniz (preferência do Guma), Banana e outros tantos. Com a colaboração desta minha querida parceira ANDRESSA PIMENTA que está na f oto à direita homenageio a  PERSONARE DA SEMANA  - ARIS BARBOSA PIMENTA e estendo a HUMBERTO BARBOSA PIMENTA 

Experimente as delícias de Arís Art Alimentos 
(14) 9728-6704 ou 81006353 
.

ÁBIA MAZZONI NEGRÃO
In Memoriam

ÁBIA MAZZONI NEGRÃO nasceu na cidade de Avaré, no dia 05 de maio de 1930, na rua, 
hoje denominada Voluntários de Avaré.

Foram seus pais: LEVY MAZZONI, músico e serralheiro; 
Levy faleceu aos vinte e oito anos de idade, vitima de ferimentos sofridos quando em combate, na revolução constitucionalista de 1932, defendendo a bandeira paulista. Sua mãe, dona Olívia Pecchio, de tradicional família italiana, muito contribuiu para o desenvolvimento comercial em nossa cidade. Ambos nasceram em Avaré. Olívia faleceu aos setenta e sete anos de idade. 
ÁBIA, como estudante, sempre mereceu o primeiro lugar. Aprendeu a profissão de Corte e Costura e nessa modalidade sustentou a mãe viúva e um irmão menor que se formou Técnico em Contabilidade.
Ábia aos dezesseis anos de idade, desejava ser freira e, quando se preparava para ingressar num convento, conheceu e enamorou-se do então radialista, dirigente da Radio Avaré e normalista Joaquim “Tininho” Negrão, hoje professor e advogado aposentado e aos vinte e um, convolou núpcias com o mesmo. Essa união perdurou durante cinqüenta e sete anos, sempre num “mar azul manso e sereno” e desse consórcio matrimonial, nasceram cinco filhos: YRAÍMA, atualmente aposentada como gerente de vendas do Banco do Brasil e professora de Inglês e Português do colégio Cel. João Cruz.
Depois nasceu NAHSCIR, que se formou professor de Educação Física e Administrador de Empresa.
Nahscir foi eleito vereador pelo PMDB, na época, o mais jovem vereador do Estado de São Paulo, com apenas dezoito anos de idade. Atualmente exerce sua atividade no Gabinete do senhor prefeito.
GERHSON, hoje engenheiro civil aposentado pela SABESP atualmente é comerciante, com casas de Tintas.
Em seguida nasceram os filhos CESAR, advogado atuando no Fórum local, já tendo sido Presidente da OAB local, integrante do Diretorio da OAB Estadual, Juiz de Ética Regional, Presidente do Clube “Centro Avareense”, Provedor da Santa Casa e atualmente Tesoureiro da mesma.
Finalmente, nasceu KIM NEGRÃO, que se formou professor de Educação Física e atleta famoso, campeão de canoagem. Com o passamento de Kim, o prefeito Dr. Fernando Cruz Pimentel, para homenagear sua memória, denominou o recém construído Ginásio de Esporte e o Campo Municipal de Futebol com seu nome, “KIM NEGRÃO”.
O casal Joaquim “Tininho” Negrão e Ábia Mazzoni, no ano de 1954 fundou a Imobiliária Progresso Ltda lançando o loteamento defronte do colégio Coronel João Cruz, entre as Ruas Paraíba e Av. Pinheiro Manchado, o bairro Jardim São Paulo 1, a Vila do Sapo e a Vila Doni; Construíram os Motéis L´Amore e o Ícaro, locados a terceiros e na cidade de Assis, os loteamentos “Jardim Europa”, e o “Quinta dos Flamboyants”.
Construíram ainda o prédio denominado “Condomínio Mazzoni Negrão” na Rua Alagoas nº. 980, a “Galeria Mazzoni Negrão” na Rua Maranhão nº. 1.283, um pequeno conjunto residencial na Rua Braz Caldeira nº. 60, o Memorial fotográfico “Professor Tininho Negrão” na Rua Santa Catarina nº. 83, para reavivar a História da Fundação de Avaré e a mansão da Rua Amazonas nº. 1.519 onde funciona atualmente o Juizado das Pequenas Causas e idealizaram e implantaram o Bailão do Jardim São João no governo do Dr.Miguel Paulucci.
O grande prefeito Dr. Fernando Cruz Pimentel, em reconhecimento ao trabalho do Clã Mazzoni Negrão denominou uma das Ruas do Conjunto Duílio Gambini de Rua Mazzoni Negrão e o prefeito Rogelio Urrêa denominou de Rua Abia Mazzoni Negrão uma das travessas da Avenida Dr. Jocelyr de Moura Bastos.
A Imobiliária Progresso recebendo dois novos sócios, Gilberto Filgueiras e Alcebíades Lemos de Moura Leite abriu os bairros Jardim São Paulo II, Vila Martins I e II, Parque São Jorge, Parque Industrial Jurumirim, Vila Lucimar, onde construiu quarenta e duas casas; O Jardim Bom Sucesso I e II; Construiu mais de uma centena de casas e edificou a primeira capela de São Judas Tadeu no bairro Jardim São Paulo. A atual capela foi o povo devoto que a construiu. Doou o terreno para a construção da CEAGESP – Doou o terreno para a construção de um Parque Infantil na Vila Martins I, hoje, Escola Professor Flavio Nascimento e para a construção da IGREJA de Santa Eduwirges.
O casal organizou, por vários anos, Natais para crianças carentes; Fundou a Escola de Samba “Tininho Negrão – Vera Cruz” com duzentos e ciquenta componentes.
Essa Escola de Samba funcionou durante cinco longos anos.
No governo Jocelyr, sendo o casal Mazzoni-Negrão, proprietário de uma gleba de terras, desmembrada da Fazenda Paineiras, e o referido prefeito desejando abrir a Avenida Nova Avaré, hoje Avenida Mário Covas, doou graciosamente DEZESEIS MIL METROS em lugar valorizado. Jocelyr denominou algumas Ruas de Avaré com o nome da família: Rua José Balbino Negrão (Pai)– R. Germinal Negrão (Irmão) e uma pequena Praça de Braulina Negrão (Mãe)e no Bairro do Braz, a Travessa Olívia Mazzoni, nome mãe da Ábia.
De todas as obras que o casal edificou em Avaré, segundo um artigo escrito pelo professor Franzolim, a maior e mais importante, foi a formação do “CLÃ MAZZONI-NEGRÃO”.
Ábia faleceu, vitima de câncer no estômago, no dia 07 de Setembro de 2007 com setenta e sete anos de idade, deixando, além de quatro filhos, nove netos, nove bisnetos e duas trinetas.
O casal, ao completar vinte e cinco anos de união pacifica e harmoniosa, a esposa, por merecer, foi agraciada pelo marido, com uma poesia intitulada:

ÁBIA, A MULHER QUE EU QUERIA.

Ábia, seus cabelos eram sedosos, Ábia, essa mulher que aludo,
Os lábio rubros, um primor. O destino meu deu certo dia.
E seus olhos meigos, formosos Era meiga, era linda, era tudo,
Espargiam promessas de amor. Era, pois, a mulher que eu queria. 

Ábia, você foi o meu sonho dourado, Por ser bondosa e discreta,
Você foi o amor mais sagrado, E por dar-me consolo e alegria,
Você foi o desejo esperado Ficou sendo a paixão de um poeta,
Que o meu coração vazio pedia. Ficou sendo a mulher que eu queria. 

TEXTO NA REVISTA MULHER EM EVIDÊNCIA MÊS DE AGOSTO DE 2013


PERSONARE
MAESTRO JOÃO CARLOS MARTINS
BACHIANA
"A música venceu..."

João Carlos Martins ocupa um lugar ímpar no cenário musical brasileiro, tendo sido considerado um dos maiores interpretes de Bach do século XX pela crítica internacional, do qual registrou a obra completa para teclado.
Nasceu em São Paulo, no dia 25 de junho de 1940 e iniciou seus estudos de piano aos oito anos com o professor José Kliass, aos treze iniciou a sua carreira no Brasil e aos dezoito no exterior. 
Seus concertos no Carnegie Hall, após a sua estréia aos vinte e um anos em apresentação patrocinada por Eleanor Roosevelt, sempre tiveram lotação esgotada.
Suas gravações estiveram muitas vezes entre as mais vendidas e jornais como New York Times, Washington Post e Los Angeles Times sempre dedicaram reportagens entusiasmadas pela sua personalidade artística.
Abandonou definitivamente os palcos como pianista no ano de 2002 por problemas físicos.
...mas a história não acaba aqui LEIA MAIS


O pianista


“Um homem nascido para fazer grandes coisas ao piano”
Washington Post
“Um dos mais importantes pianistas do mundo...”
New York Times
“Um romancista estaria sob grande pressão se levado a inventar uma vida mais implausível do que a do brasileiro João Carlos Martins. Trata-se de uma estória de aclamação pública e tragédia pessoal, de traumatismo físico e recuperação obstinada. Além da música, essa estória abraça intriga política e escândalo financeiro.”
New York Times
“Primeiro havia Glenn Gould... Agora há João Carlos Martins, um pianista brasileiro cuja estória de Vida pode ser ainda mais fascinante.”
New York Magazine
“O mais emocionante intérprete de Bach ao piano moderno a surgir desde Glenn Gould.”
Boston Globe


O maestro

“Martins parece possuído, livre, hipnotizante de uma forma até demoníaca. Suas interpretações são fulgurantes.”
Le Figaro

PERSONARE
ELIAS WARD – in memoriam
(1925-2013) Por Gesiel Junior




Filho mais velho do sírio-libanês Hanny Ward e da professora Adalgiza Almeida Ward, o jornalista Elias Almeida Ward nasceu em Avaré no dia 11 de janeiro de 1925. Passou toda a sua infância e adolescência em sua terra natal, onde sempre residiu.

Cursou o primário no então Grupo Escolar Matilde Vieira e o secundário no Instituto de Ensino Sedes Sapientiae, onde se formou técnico em Contabilidade.

Em seguida, Elias especializou-se em atividades contábeis e administrativas. Contudo, a paixão pela comunicação o tornou um dos pioneiros da radiodifusão em Avaré, tendo ele sido um dos fundadores da Rádio Avaré, a primeira emissora regional.

Desportista, Elias foi quem idealizou e promoveu a Corrida de São Silvestre de Avaré, no ano de 1946. Essa prova de pedestrianismo é hoje a mais antiga realizada em cidades interioranas e a sua tradição marca o calendário esportivo da cidade, pois participam dessa competição atletas de renome internacional.

Em julho de 1951, Elias casou-se com a poetisa Marília Pires, com quem teve os filhos Marília, Marina e Marco Antonio. Com a mulher, ele forma uma dupla inesquecível na apresentação de festas e solenidades, ambos animando os eventos e marcando ainda, com suas vozes consonantes, o rádio avareense.

Neto do jornalista Chico de Almeida, um dos combativos membros da imprensa avareense do começo do século vinte, Elias herdou a argúcia do avô e também participou ativamente da vida sócio-política da cidade entre os anos 60 e 90.

Em casa o jornalista conservava gravações radiofônicas, reportagens impressas e muitas fotografias em que ele aparece ao lado de personalidades do mundo político como presidentes da República, governadores, senadores, além de artistas e cientistas.

Em 1964, observador e com larga visão, Elias sugeriu e a Prefeitura criou e organizou a primeira Exposição Agropecuária, a tradicional EMAPA, hoje um dos mais importantes eventos do gênero em todo o país.

Admirado e respeitado indistintamente por todos os profissionais da mídia regional, Elias recebeu da categoria o título de “Cidadão Imprensa”.

Em 2005 a Câmara de Vereadores, interpretando os sentimentos populares, conferiu ao radialista o diploma de “Cidadão Benemérito”.

Comunicador por excelência, aos 88 anos de idade, Elias Almeida Ward lutou até o fim, mesmo debilitado, conservando a lucidez e o gosto pela vida, pois tomava parte rotineiramente de todos os acontecimentos de Avaré. O bravo jornalista faleceu na manhã de 19 de fevereiro de 2013, entregando à história avareense um incomparável testemunho de intensa cidadania. (Gesiel Júnior)



PERSONARE
Especial
Sadan, o Papai Noel da vida real



Sergio Pereira - As personalidades que por aqui passaram, durante o ano, estão anos luz deste homem, no que se refere a intelectualidade e condição financeira, no entanto, tais referências passam despercebidas a este avareense, que em um momento de desespero total largou tudo e foi morar debaixo da ponte e por incrível que pareça, foi lá, que encontrou seu caminho.
Aos 60 anos de idade, Paulo Roberto Oliveira, popularmente chamado de Sadan, ele não tem nada de parecido com o verdadeiro Sadan, muito pelo contrário, diga-se de passagem, é uma figura literalmente pragmática, no que tange ao altruísmo. Avareense de nascimento, Sadan é casado com Tatiane Cristina Soares de Oliveira e têm cinco filhos, Paulo de 11 anos, Pablo de 10, Luiz Fernando com 7 anos, o pequeno Gesley, de apenas 10 meses, sendo um adotivo, Lucas Willians, 21, o qual após complicações ao passar por uma cirurgia para reparar um problema no coração,  acabou com sequelas irreversíveis. Aos 21 anos, Lucas Willians tem paralisia cerebral que provoca deficiências em sua parte locomotora. Mas este é só um, dos grandes desafios deste Papai Noel avareense.
Há 21 anos atrás, Sadan sofreu uma grande desilusão com a vida, ele se perdeu com tanta angústia e solidão e largou tudo e foi morar debaixo da ponte. Lá, dividia o espaço com outros mendigos e com viciados, "estavam muito pior que eu, via aquelas pessoas se matando aos poucos, sem ao menos vontade de sair dali e buscar comida ou algo parecido", disse indignado. "Fui morar debaixo da ponte, mas não abandonei o trabalho, e empunhando uma enxada fui a luta e com o pouco que ganhava, conseguia me sustentar e também ajudar aquelas pessoas. Repartia com elas o pouco que conseguia comprar. Um dia era pão com mortadela, outro somente pão, foi então que notei: minha enxada valia ouro", contou ele. Sadan havia descoberto dentro dele algo nunca antes percebido. Na extrema miséria, descobrira o dom da partilha, a nobreza de ajudar ao próximo e a humildade em valorizar o pouco.


PERSONARE 



Alan Moreira, um pastor dedicado, um médico veterinário comprometido com a sociedade e o bem estar das pessoas...comprometido com Avaré...
Mais uma vez tenho a honra de divulgar uma pessoa que representa, sem dúvida, o perfil da Coluna Personare, Alankardson Ferreira Moreira ou como é conhecido Alan Moreira. Este homem, médico veterinário, que veio do Maranhão e escolheu Avaré (onde já é cidadão Avareense) para se dedicar a atividades que busquem o bem estar da sociedade, dentro dos princípios da fé e religiosidade, sempre dentro da ética e dos princípios que devem nortear nossas vidas.
Conheça um pouco (realmente uma pequena parte) da vida de nosso homenageado no texto editado com a colaboração de sua esposa e uma grande amiga Vera Moreira.
Nascido em Codó/ MA em 23/09/64. Casado com Vera Cristina de Freitas Moreira em 1995. Formado no curso de Medicina Veterinária em 1986 pela Universidade Estadual do Maranhão, pós graduado em Fisiopatologia da Reprodução Equina pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp), em 1988.
Trabalhou no Haras Equilia e Fazenda Palmeiras do Grupo Aché Laboratórios de 1988 à 2002, onde implantou o primeiro Centro de Treinamento de Cavalos Puro Sangue Inglês do Estado de São Paulo. Especialista em implantação e construção de pistas para treinamento de cavalos de corrida com experiências de trabalhar com Steve Wood, responsável pelo Hipódromo de Santa Anita, na Califórnia. Implantou neste período, um Centro de Referência em Medicina Esportiva Equina no Haras Equília para apoio às atividades deste Centro de Treinamento.
Especializado em ultrassonografia de avaliação de tendões de cavalos atletas e cirurgias abdominais eqüinas pela Tierklinik Hochmoor, Klinic Für Grosseund Kleine Haustiere, sob orientação do Leitender Tierarzt: Dr. B. Huskanp no ano de 1991 (Alemanha).
Atualização em Clínica Veterinária Equina no ano de 1991, na Clínica Simpson and Partners em New Maket England/ Inglaterra.
Atualização em Treinamento e doma de Cavalo Puro Sangue Inglês na Cardiff Study Farm em Creston Califórnia/ EUA, em 1992.
Lecionou no ano de 1988, no curso de Pós Graduação da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Unesp (Botucatu) para o curso de mestrado e doutorado a disciplina de Fisiopatologia de Reprodução Equina, sendo especialista em métodos para avaliação de espermatozóide pós congelamento com microscopia ótica.
Publicou vários trabalhos científicos em revistas especializadas de Medicina Veterinária e Congressos Nacionais e Internacionais.
Foi, por vários anos, supervisor de estágio clínico para conclusão de curso de Medicina Veterinária para alunos da UNESP (Botucatu), USP (São Paulo), UEL (Londrina), UEMA (Maranhão) e Universidade Federal da Paraíba.
Durante o período que trabalhou no Haras Equília participou ativamente do desenvolvimento do processo criatório e de treinamento de um dos maiores centros produtores de cavalos atletas campeões no Brasil e América Latina. Supervisionou os Haras do Achè Laboratório na Argentina e Estados Unidos.
Atuou como Médico Veterinário residente no Haras Equília e administrador da Fazenda Palmeiras por aproximadamente 14 anos.
Responsável pela criação e treinamento de um dos maiores nomes no turfe nacional e internacional, o cavalo Jim Waki, ganhador de vários Grandes Prêmios projetando o nome de Avaré no Brasil e no mundo, pois o mesmo foi criado e treinado em Avaré.
É pastor evangélico ungido pelo Ministério Translocal de Bauru no ano de 1997. Fundador da Comunidade Evangélica de Avaré. Faz parte da Equipe Estadual do M12-SP liderado pelo Apóstolo Renê Terra Nova, líder de uma das maiores igrejas do Brasil. Responsável pela supervisão de uma regional que abrange igrejas de norte do Paraná ao oeste do estado de São Paulo, indo até a região de Barretos.
Preletor de Congressos Nacionais e Internacionais, tendo ministrado em igrejas nos EUA e no Brasil.
Recebeu unção apostólica no ano de 2008, reconhecido pela Coalisão Apostólica Internacional.
Desde 2003, ascende anualmente a Israel para a Festa dos Tabernáculos, onde lidera grupos de peregrinos pela Terra Santa.
Recebeu o título de Cidadão Avareense no ano de 2002.
Extremamente comprometido com o desenvolvimento da cidade de Avaré.
Alan Moreira, Pastor e médico veterinário é o Personare da Semana.
Por Guma Castellucci, Professor e Jornalista, mestre em Comunicação e Gestor de Negócios editor da Coluna Personare para o Jornal Folha de Avaré (14) 9774-6933.

PERSONARE


Mário Bünder, exemplo de honestidade e respeito

Dizer que Juveniano Mário Almaceu Bünder é um exemplo de ser humano íntegro e de caráter ilibado não é nenhum exagero, tenho certeza é opinião única de seus inúmeros amigos entre os quais tenho a honra de estar incluído.
Hoje Corretor de Seguros, habilitado e responsável pelas Luma e Ocasional Corretoras de Seguros, esta ultima em Avaré, vem de uma infância e adolescência difícil desde que saiu de Itatinga aos dezesseis anos para trabalhar na Estrada de Ferro Sorocabana como Auxiliar de Topografia.
Mario, que nasceu em 05 de Maio de 1931, lembra emocionado que teve num primeiro momento que morar num pequeno barraco e aprender a cuidar de sua própria alimentação apesar de ser ainda um adolescente.
Sempre muito dedicado e trabalhador, recebeu um irrecusável convite do então Engenheiro responsável pela Ferrovia para morar num quarto que tinha disponível na grande casa (até hoje existente) de propriedade da empresa ferroviária que era cedida as “altas patentes” da “Sorocabana”, Ali teve mais conforto e condições mais salubres, porém alguns anos depois com a união matrimonial do seu chefe teve que desocupar o espaço, mas resolveu neste momento (aos dezoito anos) encarar um novo desafio em sua vida: trabalhar em um banco.
Foi aprovado nos exames e começou sua carreira bancária, passando do Banco Popular (vendido ao Bradesco, anos mais tarde), que funcionava na esquina da Rua Maranhão com Pernambuco, para o Banco Comercial (hoje prédio do Escritório Capecci), que se tornou União Comercial e foi vendido posteriormente ao hoje conglomerado ITAÚ.
Deixou Avaré de Escriturário, para Sub Contador na cidade de Tatuí e aí disparou vertiginosamente para se tornar Gerente de uma grande agência na Região do ABC (SP) no banco Itaú, tendo passado por cidades como Ourinhos, onde permaneceu por 10 anos tendo nesta época, atuado também como Professor da Escola Técnica Comercial do Estado de São Paulo e militante na educação como Conselheiro de Educação e Cultura (algo equivalente ao cargo de Secretário Municipal, porém não remunerado).
Casado com Célia Pereira Bünder, hoje aposentada (Professora da rede Estadual e Diretora de Escola), que foi uma das grandes vozes do Rádio da Década de 50 (atuando na Rádio Avaré) que é filha do famoso “Pereirinha”, teve três filhos que hoje moram em São Paulo e Região ABC, e atuam nas áreas de transportes, seguros e arquitetura e razão vida de Mário Bünder.
Católico dedicado e pessoa de hábitos simples, Mário hoje dá expediente diário na empresa que dirige, mesmo sendo aposentado do Banco Itaú, e quando não está trabalhando curte sua confortável casa as margens da represa Jurumirim onde recebe amigos e passa seus finais de semana.
Como fato curioso na vida deste grande ativista social merece citação, ter feito quatro anos de Psicologia e atualmente estar estudando a potencialidade do uso da samambaia como fertilizante.
Mário Bünder, Corretor de Seguros, Professor e Bancário Aposentado é o PERSONARE DA SEMANA da Folha de Avaré.

PERSONARE 

Maria Diva, uma artista professora, uma professora artista

Falar de educação em especial de Educação Artística com certeza para o cidadão avareense e mesmo da região a referencia é automática ao nome de Maria Diva Tardivo.
Tive a honra de tê-la como Professora de História da Arte, em uma de minhas formações (Letras) na FREA e vi a dedicação de uma grande profissional. Uma profissional que (infelizmente) como poucos hoje em dia procuram levar de fato o aprendizado ao aluno, papel que deve ser a essência do trabalho um verdadeiro mestre.
É fácil comprovar o trabalho dedicado desta Artista-Professora quando lemos o depoimento de sua filha, a atriz Ana Cândida, minha “cúmplice” para que fosse possível escrever esta homenagem feita à revelia da própria homenageada. No texto Ana comenta a constante busca de um melhor resultado para seus ensinamentos, com novas técnicas e ainda a continuidade dos estudos para ainda ter mais subsídios no desenvolvimento do aprendizado de seus alunos.
“... uma coisa muito legal que sei, é que todo o trabalho dela... desde o inicio quando estudava na FAAP (isso sei de tanto ouvir ela me contar e dizer para as alunas)... e ainda mais depois de ser mãe... ela se inspira em crianças. Tem um trabalho muito voltado ao tema infantil e depois de nós duas (eu e Pri (Priscila Tardivo, fotografa artística em Avaré)) termos nascido, o trabalho foi acompanhando nossa evolução... tanto que a ultima exposição dela teve como tema “A cidade de São Paulo”, onde nós duas estávamos morando e estudando). Hoje em dia, minha mãe faz faculdade de Psicologia para auxilia-la nas aulas de desenho. Ela desenvolve técnicas novas para o aprendizado de desenho e desenvolvimento da imaginação em seus alunos. Por outro lado esse novo conhecimento que ela esta tendo fez com que seu trabalho artístico se dirigisse para uma linguagem abstrata. Ela esta passando por uma fase muito distante daquela que iniciou o seu trabalho.
“Nas aulas ela também iniciou um trabalho diferenciado para crianças que passam a ter aulas acompanhadas por um adulto, por exemplo: pais e filhos que tem aulas juntos...”.

MARIA DIVA TARDIVO

Maria Diva Tardivo nasceu em Avaré, formou-se em Artes Plásticas pela PUC de Campinas (1982) e em Comunicação Visual pela FAAP (1985). Atualmente cursa Psicologia na FSP em Avaré.
Em 1988 teve sua primeira exposição individual no atelier de Dalton de Lucca, São Paulo.  Observação do Movimento.
Em 1987 recebeu o Prêmio Djanira Mota em linguagem contemporânea no lll Salão de Artes Plásticas de Avaré.
Participou em diversos projetos como voluntária na Pastoral do menor em São Paulo em oficinas de Arte para crianças.
Na Instituição Padre Haroldo em Campinas- SP para dependentes químicos em tratamento de recuperação e reinserção social e familiar atuou principalmente no “Projeto Lero Lai Brasil” destinado à prevenção da utilização de drogas e álcool para crianças e adolescentes e a profissionalização de dependentes em recuperação.
Como designer do departamento de criação e design da fábrica Giovanna Baby, atuou na área de pesquisa, desenvolvimento de temas para estamparia, ilustração infantil, brinquedos e programação visual de eventos especiais, como desfiles de moda, vitrines e coleções especiais.
Fez em 1993, sua segunda exposição individual - Olhe pra mim, Shopping Iguatemi - São Paulo e Shopping Bougainville – Goiânia. As obras retrataram o cotidiano infantil, tendo como modelos, os filhos de alguns artistas brasileiros como Gilberto Gil, Maitê Proença, Regina Casé e outros. A partir destas obras foram reproduzidos 10 cartões com tiragem de 30.000 unidades com a venda destinada aos projetos do UNICEF, com o apoio do American Express Card, Cartão solo e outros colaboradores.
Em 1999 participou da criação de personagens e ilustrações infantis para a obra solo de Marcelo Frommer do grupo Titãs. O trabalho foi interrompido com a morte do artista.
Em 2006 participou da FLIP (Festa Internacional do Livro de Paraty) com oficinas de Arte para 80 crianças e grupos de professores municipais de Paraty com criação e desenvolvimento de exercícios de desenho, pintura, texto, música e dança que resultaram na confecção de um livro. O trabalho realizado foi apresentado para o público na praça central de Paraty.
Fez diversas exposições coletivas e entre elas Fios, em 2007, no espaço cultural da AREA - Associação Regional dos Engenheiros e Arquitetos de Avaré, SP, onde mostrou seu trabalho como artista e as obras de seus alunos.
É professora de desenho desde 1989 e trabalha na criação de exercícios, ilustrações e vídeos para aperfeiçoar métodos de ensino de arte e estimular a percepção visual e a criatividade. Ministra cursos de desenho, pintura e história da arte para grupos de crianças, adolescentes e adultos em Avaré.
Tem em seu atelier um curso complementar destinado aos candidatos para o vestibular de Arquitetura, Artes Plásticas, Design, Moda e demais cursos que exigem a prova de habilidade específica, onde mantém um contato constante com a Arte Contemporânea e a criação de novos métodos para aprendizagem nesta área.
Contatos:
Tel.: (14) 91365132 – (14) 96984146

Maria Diva Tardivo, Professora de Artes e Artista plástico de Avaré é o Destaque da Coluna Personare da Folha de Avaré desta semana a quem tenho a honra de homenagear.
Por Guma Castellucci, Jornalista e Professor com Mestrado em Comunicação fone 14 97746933



PERSONARE

JUCA NOVAES  sinônimo de musica, sinônimo de MPB,  referência da FAMPOP

Nascido em Avaré, no interior de São Paulo, Juca Novaes é filho de mãe cantora de rádio, vencedora do Concurso IV Centenário, da Rádio Nacional.
Natural que tenha aprendido a ouvir, desde pequeno, as preciosidades que tinha em casa: álbuns de Dorival Caymmi e Sílvio Caldas. Mas também não deixou de se apaixonar por Beatles e pela Jovem Guarda, como todo garoto da época. Começou, aos 8 anos, a estudar piano clássico. Aos 12, se encantou por tudo que havia de melhor na MPB; João Gilberto é ídolo desde então. "Virou paixão de colecionador", diz Juca. Ao mesmo tempo, com a mesma intensidade, o menino se envolvia com a literatura. Tinha grande proximidade com o tio, Israel Dias Novaes, bibliófilo que, mais tarde, pertenceria à Academia Paulista de Letras. Juca vivia viajando pelas maravilhas, clássicos e raridades da imensa biblioteca na casa do tio. O interesse pela história das músicas, das letras, das composições e dos autores só crescia. Juca Novaes conta que tem clara memória de tudo o que aconteceu na música brasileira a partir dos anos 70, com os grandes festivais.
E foi justamente nos festivais que Juca se descobriu produzindo música. Adolescente, foi premiado no Festival de Lins (SP), com a letra e música de "Concreto", uma das suas primeiras criações. Quando Juca muda-se para São Paulo, para cursar Direito na PUC, o contato com os festivais aumenta ainda mais, tendo vestido o Festival da PUC, no último ano do curso, o que lhe abriu as portas para uma gravação no importante programa "FM Inéditos", da rádio Eldorado. A partir daí, estudou violão clássico, aprimorou seu lado autoral, gravou quatro discos em parceria com o também Trovador Urbano Eduardo Santhana e, agora, chega à maturidade com seu primeiro trabalho efetivamente solo, da concepção à criação das canções, dos arranjos - em parceria com o produtor do CD, Alexandre Fontanetti -, às interpretações e finalização das gravações.
Há também na trajetória de Juca outra grande referência no universo dos festivais de música popular. Há 28 anos, Juca Novaes criou a Feira Avareense de Música Popular (Fampop), em sua cidade natal, evento que preside até hoje. A Fampop, segundo Zuza Homem de Mello, é o mais importante festival regional do Brasil. Como produtor, além de liderar a criação do Festival de Avaré (SP) e a produção dos quatorze discos resultantes do evento, coordenou a produção do Festival Carrefour de MPB (1991/ 1993), e em 2000 atuou como consultor da Rede Globo de Televisão na realização do Festival da Música Popular Brasileira.
Compositor, cantor, produtor, Juca tem dezenas de músicas gravadas, algumas delas por nomes importantes da MPB como Jane Duboc e Alaíde Costa, e por novos artistas como Bruna Caram, Dani Lasalvia, Lucila Novaes, Daisy Cordeiro e Cláudio Lacerda. Com seu parceiro Edu Santhana lançou quatro discos autorais: Encontro das águas (1991 ), Lua do Brasil (1995), Kathmandú (2000) e 10 anos (2001).
Dentre outras atividades ligadas à música, editou o jornal "Tambores"; produziu e apresentou o programa de rádio "Feira Brasil", e é signatário da criação do Fórum Nacional de Música, em Brasília, em 2005.
Também é advogado, especializado em direitos autorais.

JUCA NOVAES - GOA

Um fado. Um blues. Choro. Influências orientais. Pop. Bossa nova. Lenine, Danilo Caymmi, Bruna Caram, Tavito, Lucila Novaes. É com esta miscelânea de estilos e referências que o compositor e intérprete Juca Novaes lança "Goa", seu primeiro disco solo, que tem como destaque a canção “Meio Almodovar”, interpretada em dueto com Lenine, e que vem sendo bem executada em importantes emissoras de rádios de várias capitais brasileiras.   
Compositor desde a adolescência, e conhecido no meio musical como um dos integrantes do quarteto vocal paulista Trovadores Urbanos, Juca Novaes apresenta o frescor de um primeiro CD, mas com o gabarito de um veterano. "Goa" é uma compilação de primeira classe que pinça as melhores criações do cantor e compositor, a maior parte delas criada durante o processo de produção do disco. As letras são universais, atemporais. 
No dizer do cantor e jornalista Aquiles Reis, do grupo vocal MPB-4, “melodias e harmonias bem construídas, letras com rigor métrico e imagens de quem sabe o que diz. Música composta com talentosa integridade... Toda Juca Novaes. Nada soa falso, tudo tem carisma e generosidade. E o danado tem ótima voz, incluindo, quando necessário, falsetes afinados e firmes”. A competência da voz de Juca é também destacada pelo conceituado crítico e produtor Zuza Homem de Mello, que destaca a “grande sensibilidade” do artista como intérprete de suas obras.

A faixa título do CD, "Goa", é, de certa forma, um espelho do álbum. Cosmopolita, plural, com influências diversas. Se o tema é amor, um bom exemplo é "Lembrei de você", cantada com Danilo Caymmi, filho do grande mestre da música brasileira. Uma citação de "Marina", de Caymmi, dá um toque especial à obra. Outra faixa interessante é "Quem viver verá". Juca Novaes a compôs influenciado pelos dias de tensão que São Paulo viveu em maio de 2006, sob ataques de facções criminosas. Um dia típico de verão vira poesia cantada, nas vozes de Juca Novaes e Bruna Caram, que, aliás, já tinha gravado o sucesso “Fim de tarde”, também de autoria de Juca. E tem até composição com um pé do outro lado do mundo: "Olhos de mangá", que cita o escritor japonês Haruki Murakami.
As letras ainda remetem a ícones líteros-cine-esportivo-musicais como John e Yoko, Jorge Luiz Borges e Maria Kodama, Garrincha, Almodovar, Fellini, Fernando Pessoa, em meio a guitarras distorcidas, octeto de cordas, cítaras, tamboras, num grande mosaico de ritmos, símbolos e imagens.
Juca Novaes também é criador e curador de um dos mais importantes eventos culturais do interior do país, a Fampop de Avaré, sua terra natal, festival que ajudou a revelar nomes hoje conhecidos como Zeca Baleiro, Chico César, Rita Ribeiro, Jorge Vercilo e o próprio Lenine. Durante os anos à frente do festival, e envolvido com outras facetas ligadas à música, Juca aprimorou seu lado autoral, gravou quatro discos em parceria com o também Trovador Urbano Eduardo Santhana, teve obras gravadas por ícones como Alaíde Costa e Jane Duboc, bem como por novos artistas do naipe de Bruna Caram, Daisy Cordeiro, Daniela Lasalvia, Cláudio Lacerda, e agora chega à maturidade com seu primeiro trabalho efetivamente solo, da concepção à criação das canções, dos arranjos (em parceria com Alexandre Fontanetti) às interpretações e finalização das gravações.
Da observação e da vivência desse universo autoral, com as múltiplas influências que recebeu da sua formação de músico, compositor e letrista, que Juca chega a “Goa”, com a bagagem repleta de sons, imagens e referências, um convite a uma grande viagem, como promete a faixa-título.
*Juca Novaes, músico e advogado especialista em direitos autorais é o PERSONARE da semana.
*Guma Castellucci, da Rede Guma (www.redeguma.com) é Jornalista e Professor especialista em Gestão de Pequenos Negócios, Mestre em Comunicação Fone (14) 9774-6933 e mail guma@redeguma.com

PERSONARE


Tenente Coronel Loriano um militar dedicado à sociedade

“Policia” – esta palavra se reveste de um misto de amor e ódio por parte da sociedade, que muitos veem como símbolo de repressão a liberdade.
Por isso muitas vezes o ser humano que está coberto por uma farda militar acaba sendo oculto pela mesma e absurdamente “marginalizado” pela sociedade que acaba somente percebendo sua grande importância no momento em que vem a ser vitima de um ato ilegal.
Diante desta realidade procurei contatar uma das pessoas que se identifica por uma patente militar antes de seu nome e que é reconhecido pela sua disciplina rígida, porém focada no valor do ser humano, que trata seus subordinados de forma íntegra e que desta forma tem destes o respeito e a dedicação competente – Tenente Coronel Antonio Carlos Loriano é o Personare da semana.
Nascido em São Paulo – Capital, Coronel Loriano vem de uma família muito humilde tendo iniciado como muitos, no mercado de trabalho ainda muito cedo, no idos ano de 1973 quando com apenas 12 anos de idade.
Filho de pais separados (fato difícil para a época) e com três irmãos aos cuidados de sua mãe, foi determinado a mudar de vida que conseguiu seu ingresso na Academia de Barro Branco e ali ascendeu de forma vertiginosa a carreira militar.
Loriano lembra sempre que a disciplina e rigidez do militarismo mostram de forma clara a importância que o policial tem para manter a segurança e dar a comunidade uma qualidade de vida assegurada dentro dos princípios constitucionais.
Ser policial é antes de tudo uma prova de amor e dedicação à sociedade e seus valores, é uma frase que resume o pensamento do Coronel Loriano. Casado de 1992 e pai duas filhas comentou que sempre se apresentou a sua família como um funcionário público (que realmente é) e sempre teve desta o respeito pela sua profissão e um parâmetro positivo de respeito e consideração entre todos de seu circulo de amizades mais próximas.
Hoje no comando da Policia Militar de 17 municípios (mais de 300 mil habitantes) e um grande contingente de subordinados tem conseguido graças a ações conjuntas com a Policia Civil e um entrosamento perfeito entre os membros de sua equipe, conseguidos a base de reuniões diárias e aferições de metas e responsabilidades, diminuir o índice de criminalidade na região operada.
O Batalhão sob sua responsabilidade direta é certificado pela qualidade com auditoramento externo e ainda através de ações como Proerd e das palestras Paz no Lar tem sido alvo de elogiosos comentários de toda sociedade.
Nota Editorial* – Confesso que conhecendo pessoas como o Tenente Coronel Loriano, me fez sentir muito mais seguro e aprendi um pouco mais o quanto é importante lembrar-se que antes de tudo e acima de tudo é um ser humano e trabalha na sua profissão qualquer que seja ela, a serviço de outros seres humanos. Entendi melhor a importância de respeitar a lei, não por estar à frente de um policial, mas porque as leis são feitas para a proteção e a segurança do ser humano e de sua vida em comunidade.
Afinal nas palavras do nosso homenageado, o fato de você deixar de usar o cinto de segurança e ser multado por isso, não é um desrespeito a sua liberdade de usar ou não, mas sim um respeito à coisa pública, pois você vitima de um acidente vai utilizar a vaga de um hospital publico que é pago com recursos de todos. Particularmente, foi uma honra homenagear Tenente Coronel Antonio Carlos Loriano, Comandante do 53º BPM/I Avaré, o Personare da Semana.
*Guma Castellucci, Professor e Jornalista, Especialista Gestão de Negócios e Mestre em Comunicação. (14) 9774-6933 guma@redeguma.com - www.redeguma.com

PERSONARE





F TEGANI,  Cientista, matemático, mas acima de tudo um verdadeiro artista plástico

Fioravanti Tegani, ou o Mestre F Tegani com certeza representa um ícone das artes plásticas em Avaré, cidade onde nasceu em 1971, filho de uma avareense com um italiano.
Desde apenas dois anos de idade começou a desenhar, imaginem, rabiscando e fazendo sulcos nas paredes com uma chave de fenda, desenhos que já tinham expressões artísticas, onde se percebe o talento nato de um verdadeiro e expressivo artista.
Os desenhos que fazia e mostraram sua grande especialidade eram imagens sacras, fato importante se imaginarmos que até aquela tenra idade não tinha tido acesso aos espaços religiosos ou mesmo imagens fotográficas de santos ou anjos, que ganhavam (na ponta de um equipamento que para esta finalidade mais chegava perto de uma pedra de ponta como as usadas nas cavernas identificando a sua arte como arte rupestre) expressivo realismo.
Aos 14 anos de idade Tegani foi convidado e participou da criação da Casa de Artes e Artesanato, pela própria fundadora e que hoje dá nome ao espaço Floriza Souto Fernandes (espaço vinculado à Secretaria de Cultura na Rua Rio Grande do Sul, ao lado do Teatro Municipal), fato que o incentivou a continuar trabalhando como artista plástico.
Foi nesta mesma época que um dos poucos pintores de abóbadas de templos maçônicos que existem e único nesta região havia falecido, levando um padrinho de Tegani convidá-lo a realizar este trabalho em um templo da cidade, que segundo o artista era uma verdadeira missão de responsabilidade única para aquele jovem.
A rapidez (inédita) e a qualidade do trabalho realizado deu-lhe a grande chance de sua vida, uma bolsa para estudar na Academia Real de Belas Artes, onde desenvolveu as técnicas acadêmicas e a elaboração de pinturas em diversas áreas.
O historiador Joaquim (Tininho) Negrão conheceu Tegani e pediu que ele pintasse diversos quadros e painéis alusivos a história de Avaré e desde primeiro trabalho passou então a ter Tininho como seu grande apoiador tendo sido o pintor das obras (a maioria) que estão na área interna do Memorial Tininho Negrão e que retratam fielmente, personagens e trechos da história avareense.
Formou-se em Ciências e Matemática e em Avaré foi o fundador da Ordem Acadêmica Real onde integrou nomes como Iza Perez e El Camargo.
Atualmente F Tegani vice de seus trabalhos artísticos e o de maior relevância neste momento são as esculturas de personalidades históricas de Avaré que estão sendo feitas no Memorial Tininho Negrão e chamam a atenção de todos pela expressão realista dos monumentos, característica como já dito muito peculiar deste artista.
O Personare desta semana é Fioravanti Tegani, um particular amigo que pela sua referencia no mundo das Artes Plásticas merece esta homenagem.
*Guma é Gumercindo Castellucci Filho, Professor e Jornalista, Especialista em Gestão de Pequenos Negócios, Mestre em Comunicação. Fone (14) 97746933 www.redeguma.com


PERSONARE


CARLOS ALONSO, sinônimo da boa música sertaneja


Em Avaré e não estaria exagerando se fosse citar em toda esta região, não se consegue falar de música sertaneja na sua essência mais tradicional (raiz) sem lembrar o nome de Carlos Domingos Alonso, ou “Seu” Carlos Alonso, como todos conhecem este grande entusiasta do universo musical caipira.
Nascido em 21 de dezembro de 1930, na vizinha cidade de Itatinga, “seu” Carlos, filho de Constantino Alonso e Tereza Fulanetto veio para Avaré ainda com dezesseis anos de idade, portanto em meados dos anos 40, para residir e trabalhar na Fazenda Brabancia de propriedade da família Banwart e lá ficou até 1952, quando partiram para a cidade de Ipaussu.
Lá continuou seu trabalho e morada na zona rural, pois seu pai administrava a Fazenda Santa Tereza.
Dessa vivencia no meio do campo, na essência do mundo caboclo, em meio às rodas de viola e sanfona, Carlos tirou o gosto pelo gênero que carregou consigo mesmo a partir de 1969 quando partiu a trabalho para a cidade de São Paulo.
Apenas em 2001, já aposentado Carlos pode voltar para Avaré e ai sim dedicar as coisas que sempre gostou, fundou e até hoje, mesmo com grandes dificuldades é o grande baluarte, o Clube da Viola e Sanfona de Avaré que tem eventos todos os domingos à tarde, reunindo violeiros e sanfoneiros, duplas, trios e cantores solos, que ali encontram espaço para mostrar o seu talento.
Outro trabalho que tem grande participação de Carlos Alonso, o Sarau Caipira em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura de Avaré, o Sarau Caipira, acontece sempre nas ultimas quartas feira de cada mês na Biblioteca Municipal, também preserva a ideia de permitir oportunidade àqueles que gostam de cantar, interpretar ou mesmo se divertir ouvindo as musicas que tem uma identidade muito brasileira, a musica caipira.


Carlos Domingos Alonso que além de violeiro e cantor, é também um compositor (com CD gravado de 12 musicas autorais e outro em parceria com a dupla Valdir e Misael) e ainda poeta com grande atividade no Centro Literário Anita Ferreira de Maria e não deixa de encontrar tempo para a fé, sendo um católico fervoroso presente em muitas das atividades da Igreja.
Por tudo isso, a coluna PERSONARE destaca nesta semana, uma pessoa que particularmente admiro muito, Carlos Domingos Alonso. Por Guma Castellucci, www.redeguma.com (14) 97746933

PERSONARE


Cláudio Cortez, perfil de poeta

Filho de pais respeitáveis - o inesquecível Orlando Cortez, farmacêutico símbolo de confiança em Avaré, e de dona Maria da Glória Tupá Cortez, mineira da cidade de Sacramento - o avareense Cláudio Cortez aqui nasceu em 30 de agosto de 1947.
Fez seus estudos no tradicional Instituto de Educação Cel. João Cruz e no Colégio La Salle, de Botucatu. Formou-se em Letras, em 1975, pela Faculdade de Ciências e Letras da FREA.
Ainda muito jovem Cláudio fez parte da Comissão Municipal de Cultura “Léa Silva”. Nessa época, janeiro de 1968, lançou o livro “Em Silêncio de Estrelas”, coletânea de composições líricas, as quais carregam mensagens reveladoras do seu espírito curioso das coisas da inteligência e da fragrância de sua inspiração poética.
Profissionalmente, Cláudio iniciou sua carreira no serviço público trabalhando no Paço Municipal ao lado do mestre Djalma Noronha, outra notável referência da literatura avareense.
Por mais de 25 anos, serviu com muita discrição e rara habilidade, sucessivamente como secretário de gabinete dos ex-prefeitos Fernando Pimentel, Misael Euphrásio Leal, Paulo Dias Novaes e Miguel Paulucci.
Dono de texto cativante – em que pese sua natural modéstia – Cláudio é também exímio cronista, talento revelado ao assinar belas páginas em que narra aspectos da nossa história nas edições especiais do extinto jornal “O Avaré”.
Amante das artes, ele voluntariamente apoia diversas iniciativas culturais, atuando em eventos de realce como os Salões de Artes Plásticas promovidos na cidade. Aliás, Cláudio, admirador confesso da pintora Djanira, sabe manejar o pincel e produziu telas de rara beleza.
Em 1996, convidado por Miguel Paulucci, o artista atuou como secretário de Cultura do município. Em sua breve passagem pela pasta, coube a ele preparar a inauguração do Teatro Municipal Octávio Morales Moreno.
“Cláudio Cortez compõe no fluir espontâneo de expressões plenas de ternura, ritmo e harmonia”.
Essa sábia impressão de Anita Ferreira De Maria, a grande dama da nossa poesia, nos convence de que, de fato e com louvor, ele bem cedo teve o nome merecidamente inscrito na galeria dos celebrados poetas avareenses. É onde, a propósito, já reluzem as rimas serenas do seu perfil intermediadas nos versos cálidos da sua vida. Texto para esta homenagem de Gesiel Júnior.

DEPOIMENTOS DE AMIGOS

“Para completar esta matéria uma criação de Cláudio como forma de (re) conhecer o trabalho deste ser humano, de características simples e que mantém a humildade acima de tudo, mesmo diante do talento literário e da capacidade intelectual incomensurável.
Trata a todos sempre com muito carinho ligado ao respeito profundo à identidade de seu próximo.
Alguém que tenho a honra de chamar de amigo.
Guma Castellucci


Amante das artes, ele ofereceu sempre o seu apoio a iniciativas culturais, apoiando eventos representativos, com destaque para os Salões de Artes Plásticas realizados em Avaré. Em 1996, convidado pelo ex-prefeito Miguel Paulucci, Cláudio foi secretário municipal da Cultura. Em sua breve passagem pela pasta, coube a ele concluir as obras e inaugurar o Teatro Municipal Octávio Morales Moreno. Como registrou a grande dama da nossa poesia, Anita Ferreira De Maria, Cláudio Cortez compõe no fluir espontâneo de expressões plenas de ternura, ritmo e harmonia. Portanto, tem seu nome de há muito inscrito na galeria dos celebrados poetas avareenses.
                                                                                                       Fernando Santos

PERSONARE

Waldir "Bronson" Rodrigues Filho



O perfil ousado e inusitado de um jovem artista

Professor de Artes Plásticas e artista plástico Waldir Rodrigues Filho, o Waldir Bronson (fã de Charles Bronson) nasceu em São Paulo em 17 de março de 1984.
Influenciado pelo avô (apaixonado por Avaré) Waldir veio para cidade acompanhando seus pais em 1991.
Desde pequeno sempre gostou de fazer desenhos e aqui chegou a publicar seus trabalhos no extinto Jornal O Avaré e até mesmo editar o número 1 do gibi FANZINE projeto que só foi suspenso por falta de recursos para sua continuidade.
Durante alguns anos Waldir retornou então para São Paulo onde buscou conhecimento e aperfeiçoamento artístico, época em que teve ensinamento com o renomado artista Rubens Matuck, de onde Bronson confessa sofrer forte influencia em suas obras.
Waldir está animado com o crescimento e o ganho de expressão de seus trabalhos, que vão desde exposição da USP (unidade São Paulo) juntamente com Lucia Brandão que leva o nome de “Passarinho na gaiola não canta, lamenta”... também está em “Tributo a Frida Kahlo” um exposição itinerante internacional (Malásia, Bangkok e em setembro estará no Equador).
O momento mais marcante de sua carreira se deu na sua participação no Salão de Suzano, onde iniciou seu circuito como expositor, permitindo a revelação de sua identidade artística.
Em maio deste ano Avaré recebeu uma de suas montas mais inusitadas: Os quadros giratórios da exposição Intervenção Urbana, que, aliás, está entre seus planos futuros sua intensificação, assim como sua entrada no mundo da animação.
Waldir Bronson retoma o circuito de Exposições no Memorial Djanira (após o término da participação das esculturas de Marcio Eustáquio (Chicão)) no dia 25 de Junho próximo permanecendo até 3 de Agosto.
O ARTISTA
            Nascido em 1984 em São Paulo, estudou desenho artístico e aquarela com Wilson D'Angelo em Guarulhos, pintura em acrílico com Hélio Barbosa, junto com Jonathan Medina Furuyama faz oficina de Gravura em metal e Xilogravura por dois anos com George R. Gütlich na Fundação Cassiano Ricardo em S. José dos Campos, simultaneamente   faz visitas ao Atelier Rubens Matuck em 2006 e no início de 2011, neste último ano frequenta regularmente o ateliê de gravura da Unicamp, tendo contato com grandes mestres da gravura brasileira como: Danilo Perillo, Márcio Périgo e Luise Weiss, participando das seções de desenho com o artista residente na Unicamp Ernesto Bonato.  Graduado em Artes Plástica pela Universidade Braz Cubas em Mogi das Cruzes-SP, está cursando Pós Graduação em Arte Visuais: Cultura e Criação no SENAC-PR em Curitiba, atualmente reside na cidade de Avaré como artista plástico e professor de Arte.

Exposições e Participações em Salões de Arte:

 Exposição Individual na Biblioteca Municipal de Avaré-SP, 2001
 Exposição Coletiva "Casa da Xilogravura" em Campos do Jordão-SP,2005
 Exposição Coletiva no "Atelier De Etser" em S. José dos Campos-SP,2005
 Exposição Coletiva do Espaço de Artes Helena Calil, S. José dos Campos-SP,2005
 Exposição de Desenhos e Aquarelas no Emporium Café, Avaré-SP, 2005
XX Salão de Artes Plásticas de Mococa-SP,2005
 V Salão de Artes Visuais de Guarulhos-SP,2005
VI Salão de Artes Visuais de Guarulhos-SP,2006
VI Salão de Artes Plásticas de Suzano-SP,2010
Bienal Internacional de Gravura – Santos-SP,2011
5ª Bienal Nacional de Gravura Olho Latino – Atibaia-SP,2011
Exposição Individual "Eu ainda estou vivo" no Emporium Café em Avaré-SP,2011
VII Salão de Artes Plásticas de Suzano-SP,2011
Exposição Individual "Eu ainda estou vivo" no Fórum Municipal de Avaré-SP,2011
Exposição Individual "Eu ainda estou vivo"  no Templo Bar em Bauru-SP,2011
Exposição Coletiva com artistas avareenses no Memorial Djanira Motta em Avaré, 2012
Exposição Coletiva Itinerante pelo país "Passarinho na gaiola não canta, lamenta", São Paulo-Brasil, 2012.   Obs: A ilustração está no 1 min. e 17 seg. do vídeo exibido pelo Repórter Eco da TV Cultura em 29/01-2012, clique no título da exposição para assistir.
VII Mostra de Artes Visuais Senac, Curitiba, 2012
Mostra Estadual Fase Fina do Mapa Cultural Paulista na Funarte-SP de 28/04 a 13/05 de 2012 em São Paulo Capital (Endereço segue no Link da Funarte-SP) 
Intervenção Urbana no Largo São João em Avaré-SP, Projeto ATÉ QUANDO, 2012

 Exposições Internacionais
 IX Bienal Internacional de Grabado Ourense, Banco Caixanova(Espanha),2006
  Exposição coletiva "Mexicana del Mundo" Frida Kahlo, Toluca (México), 2011
The 3ª Bangkok Triennale International Print and Drawing Exhibition na Universidade de Silpalkorn em Bangkok capital da Tailândia, 2012 
Exposição Internacional  "Works on paper"  na Faculty of Fine Art (Faculdade de Belas Artes)  em Kuala Lumpur capital da  Malásia, 2012  


 Prêmios e Menções
Segundo lugar no VI Salão de Artes Plásticas de Suzano, 2010 
Classificado nas fases municipais e estaduais na categoria Artes plásticas pela cidade de Avaré-SP no Mapa Cultural Paulista 2011/2012
Prêmio "Destaque do Ano" em Artes Plásticas pela Secretaria da Cultura de Avaré, 2011
Obras em Espaços Públicos:
Museu "Casa da Xilogravura" Campos do Jordão-SP
Centro Cultural de Suzano-SP
Estúdio Valongo de Santos-SP
Silpakorn University Bangkok (Tailândia)                 
Conheça os trabalhos de Waldir Bronson www.waldirarts.com
Waldir Rodrigues Filho, ou o artista Waldir Bronson é o homenageado da semana pela coluna Personare de Guma Castellucci (www.redeguma.com).



PERSONARE


FERNANDES - 
Um Avareense cujo talento é reconhecido mundialmente

O destaque desta edição vai para Luiz Carlos Fernandes que embora seu nome seja desconhecido da maioria das pessoas, nasceu aqui em Avaré no dia 05 de outubro de 1959.
Fernandes, como é conhecido trabalha em um grande jornal na cidade de Santo André e seu nome é uma referencia na área do desenho e da ilustração.
O Avareense trabalha no jornal Diário do grande ABC dando sequência a uma carreira de sucessos quando publicou pela primeira vez em 1979, no jornal “O Estábulo”, em Avaré.
Seu nome, porém começou a ganhar uma grande projeção a partir de 2001, com a sua participação e sucessivas premiações (veja a lista nesta página) em salões e exposições inclusive fora do Brasil. Outro ponto alto da carreira de Fernandes; livros infantis, entre eles a turma de Gersão (Gerson de Abreu) e a coleção do Castelo Rá Tim Bum editado pela Editora Cia das Letrinhas.
Em 2008 foi jurado do International Nasreddin Hodja Cartoon Contest em Istambul na Turquia.



Prêmio Destaque da Cultura

No final de 2010, Luiz Carlos Fernandes recebeu o Premio Destaque Cultural da Secretaria Municipal de Cultura e Lazer de Avaré.

Conheça os trabalhos de Luiz Carlos Fernandes em um de seus blogs



PRÊMIOS
1997- Hqmix. Coleção Castelo Ratimbum (parceria com Girotto)
2001- 1º lugar, caricatura salão internacional de Piracicaba
2002- 1º lugar, caricatura - Unimontes MG
2002- 1° lugar, caricatura Salão de Caratinga MG
2003- 1º lugar, caricatura Salão Univates RS
2003- 1º lugar, cartum Salão univates
2003- 2º lugar( parceria c/ Gilmar), cartum, Salão Univates
2003- Menção Honrosa, Salão Internacional de Piracicaba
2003- Menção honrosa– caricatura(Oscar), Salão de Caratinga - Minas Gerais
2003- Menção honrosa- charge, Salão internacional de humor de Caratinga - Minas Gerais
2003- 1º lugar, caricatura, Salão Internacional do Piauí
2003- 1º lugar, caricatura, Salão Rib. Preto
2003- 2º lugar, Cartum, Salão Rib. Preto
2003- Menção honrosa, Charge, Salão Rib. Preto
2003- Menção honrosa- Cartum Foz do Iguaçu
2004- Prêmio catálogo, Salão Carioca
2004- Menção honrosa - Porto cartoon, Portugal
2004- Menção honrosa - 1° Salão do humor de Bragança- Pará
2004- Menção honrosa- Salão internacional de Piracicaba
2004- 1° lugar, caricatura- Salão Latino Americano Univates, RS
2004- 1° lugar, caricatura- Salão do Humor de Presidente Prudente, S. Paulo.
2005- Menção honrosa - caricatura, Salão Internacional do Piauí.
2005- Menção honrosa - caricatura, Salão de Caratinga - Minas Gerais
2005- prêmio Aquisitivo Câmara Municipal - Salão Internacional de Piracicaba.
2005- 2º lugar, categoria caricatura - Salão Internacional de Piracicaba.
2005- Great Prize -  Internacional  de caricatura de Caragiale - Romênia.
2007- 1° lugar, caricatura do Ziraldo– concurso On-line Fabricarica-EPTV
2007- Excellency Prize- Romênia
2008- Excellency Prize- Romênia
2008- 1° lugar, caricatura do Niemeyer– concurso On-line Fabricarica-EPTV
2009- Prêmio Catálogo- 1°Festival Internacional de desenho de imprensa - Rio de Janeiro
2009- Menção Honrosa - salão Internacional de desenho para imprensa - Porto Alegre - RS
2009- 1° lugar, caricatura - Salão do Humor de Volta Redonda - Rio de Janeiro.
2009-2º lugar, mostra internacional de caricaturas Godofredo Guedes
2009- Jury special mentions- transimeno Blues cartoon- Itália
2009- 2° lugar, caricatura Salão internacional de humor de Caratinga MG
2010- Hqmix- premio “melhor caricaturista do Brasil” 2009
2010 – Premio Cultural em Avaré  
          
EXPOSIÇÕES

1979- Avaré- 1ª Exposição de artes, Centro de Cultura Arte e artesanato
1993- S. Caetano do Sul- III Bienal, Esporte, Arte e Pesquisa
1993- Santo André - Humor no porto
1995-Santo André - Câmara Municipal, Ilustrações do livro do Gerson de Abreu
1999-São Paulo - Aprendiz Escola - Originais do Castelo Ratimbum
2002- Santo André- Paço Municipal- 1ª Bienal de Humor de Santo André
2002- Santo André- Terminal Rodoviário- “ABCD, Mais Risos”
2002- S. Caetano, Sesc - Exposição “Ta Rindo De Quê”
2002- Avaré, Centro Cultural - Exposição” Ta Rindo De Quê”
2003- Mauá, Biblioteca Cecília de Meireles, “ Melhor Rir Pra Não Chorar”
2003-S. Caetano - Fran’s Café
2004-Lajeado, “Simplesmente Fernandes” RS - Univates
2004- S.Caetano do Sul- Quadrinhista e cartunistas do Abc- Fundação Pró - memória
2004- Shopping ABC – Santo André
2004- Santo André, 2ª Bienal do Humor
2005 Piauí- Teresina
2005-Paraguaçu Paulista-“ Caricartuns”
2005- S. Bernardo do Campo-Biblioteca Municipal
2005- Santo André - Abc Plaza Shopping ” Caricartuns”( Fernandes e Gilmar)
2005-Centro Cultural de Diadema- Exposição” Caricartuns” (Fernandes e Gilmar)
2005- França-"Dessinateurs Brésiliens"
2006- Turquia - NAZIM HIKMET" EXHIBITIONS
2006- Banja Luka, Bósnia Herzegovina
2006-Minas Gerais Caratinga
2006- Lajeado RS - Exposição Univates


HOMENAGEM ÀS MÃES

"SER MÃE"

Quando se faz esta pergunta vem à cabeça, a tradicional frase “...ser mãe é padecer no paraíso”.
Então reiteramos esta pergunta para ouvir algumas opiniões que saem da rotina. Porém caso o leitor (cuidadoso) preste atenção a estes depoimentos percebe que a diferença textual não se traduz em total distanciamento da típica frase que mostra a alegria de “ser mãe” num paradoxo do sofrimento que vem através da preocupação e da responsabilidade de criar um filho...então “ser mãe (em síntese) é padecer no paraíso”.
Por Guma Castellucci (www.redeguma.com

Filha, mãe e irmã do Guma




ANA MARIA SILVESTRE
...mãe de Julia Mariah Silvestre Castellucci (12 anos)

“Ser mãe ...viver intensamente, ter os pensamentos ocupados 24 horas por dia, colocando o filho sempre em primeiro lugar...é ter sono e fingir que ele nem existe, é nem ver o dia passar, é sentir alguém mexer dentro da barriga e nunca, mais nunca mesmo esquecer essa sensação. É cuidar, educar, alimentar, ser amiga e conviver com muito carinho.
Ser mãe é uma confusão de sentimentos e sensações, é nunca mais se sentir sozinha porque mesmo longe sentimos os filhos perto.
Ser mãe é aflorar o medo da perda, que chega a doer só de imaginar.
Mas o principal ser mãe é amar...amar e ...AMAR...”.





MÃE
de Luciana Santini para sua mãe...

Obrigado , Senhor , pela mãe que você me deu ...
Por todas as Mães do mundo
Pelas mães brancas , de pele alvinha ...
Pelas pardas , morenas ou bem pretinhas ...
pelas ricas e pelas pobrezinhas ...
Pelas mães - titias , pelas mães -vovós , pelas madrastas -mães ,
Pelas professoras - mães e madrinhas ...
Pela mãe que embala ao colo o filho que não é seu ...
Pela saudade querida da mãe que já partiu ...
Pelo amor latente em todas as mulheres , que
Desperta ao sentir desabrochar em si uma nova vida ..
Pelos primeiros passinhos....
Pelo amor , maravilhoso amor que une mães e filhos ...
Feliz dias das mães a todas as mamães do mundo
Eu lhe agradeço , Senhor por ter minha mamãe que me ensinou tudo que aprendi ate aqui em minha vida !



Regina Célia Gonçalves Theodoro da Silva
...Mãe de Gesiel Neto


SER MÃE É...
Querer ser tua amiga
Nem demais, nem de menos.
Nem tão longe, nem tão perto.
Na medida mais precisa que eu puder.
É amar-te, sem medida, e ficar na sua vida da maneira
Mais doce que eu puder...



Sem tirar-te a liberdade
Sem jamais te sufocar
Sem forçar tuas vontades
Sem falar quando for hora de calar,
E sem calar, quando for hora de falar.

Nem ausente, nem presente por demais,
Simplesmente, calmamente ser-te paz....

É lindo ser mãe!
Mas confesso, é tão difícil aprender!
E por isso eu te suplico paciência...



Vou encher teu rosto de lembranças
E transformar toda minha saudade em amor!!!
-


Irene B. Vilas Boas
funcionária pública


MÃE Palavra tão pequena que falamos e chamamos várias vezes ao dia, sem ao menos perceber a pureza da palavra.
Seu significado é infinito, é indiscutível, é amor, é renúncia a si própria, é força, é sabedoria.
Viu? Quantas qualidades e sentimentos existem em uma palavra tão pequena que se transforma em uma grande mulher: simplesmente MÃE



PERSONARE



SUZANA INCALExemplo de mulher, exemplo de mãe, exemplo de vida.

“Amar dói, mas é bom demais”! (Suzana Incal)

A dor e sofrimento não a impediram de ajudar as pessoas e a comunidade.
Mesmo com a perda do marido e a descoberta concomitante que seu filho, na época com 10 anos de idade, sofria de um serio problema de saúde, Suzana, mesmo tomada pela dor de tão difíceis celeumas acreditou que podia sonhar e que deveria lutar pela vida de seu filho a qualquer custo.
Realmente foi o que fez Suzana Helena Lopes Incal Silva, quando descobriu que o filho sofria de uma doença cardíaca chamada Displasia do ventrículo direito que é uma infiltração de tecido adiposo do ventrículo direito e fibrose que leva a diminuição da espessura da parede e dilatação da câmara cardíaca.
A doença foi detectada na realização de exames a que se submeteram todos os familiares após a prematura morte de seu marido, confirmando no filho a existência da mesma doença do pai.
Então após um tempo acabou-se por ver no transplante a única das opções para sobrevida do então garoto Renato.
Começa a longa batalha pela espera de um doador compatível na fila de espera que chega mais de setenta mil pessoas, e a demora levava ao agravamento do estado de saúde do menino, causando inclusive dificuldade respiratória que segundo Suzana em depoimento a Revista Mulher Em Evidência causou um dos momentos mais emocionantes e dramáticos desta histórica: “... um dia Renato me perguntou se tinha como eu doar meu coração a ele, até que alguém doasse”...
...
Depois de oito meses (longos meses) finalmente foi marcada a cirurgia de Renato num estado de gravidade muito sério em sua saúde pela perda de liquido em seu abdômen e ainda restava o risco da rejeição.
A superação de todas estas dificuldades levou-a a instituir a Campanha Doe órgãos Salve Vidas hoje uma bandeira estampada em veículos e na rede de postos de combustíveis e sedes de empresas do grupo em que é uma das sócias.
Enfim uma triste e dolorosa mostra de uma realidade que a família jamais imaginava e que hoje leva como forma de conscientizar a todas as pessoas da importância da complexa doação de órgãos em nosso país do amor e o carinho como forma de demonstrar o amor ao próximo, garantindo momentos de felicidade àqueles que ainda têm chance de vida.
Hoje, mais de dez anos depois, o jovem Renato é prova viva de toda esta dedicação e parceiro de trabalho social exemplar praticado por todos os integrantes da Campanha idealizada por Suzana. 
Texto baseado em entrevista Revista Mulher com depoimentos da homenageada.

PERFIL DA HOMENAGEADA 
Nome: Suzana Helena Lopes Incau Silva. 
Natural de: Avaré – S.P 
Profissional: Sócia do Grupo Bizungão. 

Desafios da vida profissional: Manter a ética e a dignidade acima de tudo, sempre respeitando o próximo, e manter uma empresa sólida e digna no mercado, ao contrário do que nos apresentam certos políticos e empresários. 
Desafios da vida pessoal: Melhorar hoje as falhas do ontem como ser humano.
 Planos para o futuro: Viver o presente com muita intensidade. Aproveito com minha família e amigos como se fosse o último dia, pois o futuro não se pode prevê-lo. 
Momentos especiais: O Nascimento e o Renascimento do meu filho, ou seja, o milagre da vida voltando. 
Momentos difíceis: Ver a dor de meu filho e não poder fazer nada, assim como Maria que viu seu filho dar a vida por nós, isso é sentir a dor de uma mãe, não da para imaginar, somos filhos, somos mães e seremos avós... esse ciclo continuará sempre com a força do amor. 
O que é ser Mãe: Ser mãe para mim é ter muita Fé, o amor de mãe move montanhas, a oração de mãe leva ao milagre se assim for da vontade de Deus. Dói muito, pois nem sempre conseguimos passar as dores por eles, não conseguimos doar nosso coração, na hora que mais precisa para salvar sua vida... 
Resumindo: Amar dói, mas é bom demais!


PERSONARE

Mauricio de Barros, um homem que a falta de estudos não permitiu deixar de realizar sonhos...

Maurício Francisco de Barros ou o poeta Mauricio de Barros nasceu em 21 de Dezembro de 1950 na cidade de Ribeiro, Estado de Pernambuco.
Uma história interessante de vida, um exemplo de dedicação e força de vontade.
Um nordestino que diferente de muitos que vem para São Paulo tentarem a sorte, Mauricio ficou por lá mesmo durante toda sua adolescência, trabalhando como arquivista num Cartório, serviços gerais e como salienta “... honrosamente servindo o exército”.
Merece comentário o fato de uma grande decepção o ter levado a abandonar os estudos ainda na quarta série, a reprovação no extinto exame de admissão, que, aliás, levou muitos ao mesmo fato.
Com pouco mais de vinte anos somente veio para São Paulo onde então iniciou uma nova fase em sua vida. Sonhava em trabalhar num banco, porém a falta de estudos era um impeditivo eu acabou por superar tamanha era a vontade de ir atrás do sonho.
Para conseguir o trabalho ia para as entrevistas com apostilas de cursos que dizia estar fazendo, tendo, porém abandonado muitas vezes nas primeiras aulas e com isso acabou conseguindo despertar a sensibilidade de um dos entrevistadores e após uma rápida passagem pelo Banco Mercantil foi então para o grande trabalho de sua vida, funcionário do BANERJ na época um banco do governo do Rio e ainda atuava a noite no serviço de compensação de outra instituição financeira o Banco Itaú, tamanha era a intenção de crescer na carreira, o que só não aconteceu devido novamente à falta de formação educacional.
Ainda em São Paulo conheceu sua esposa, outra história que garante contar oportunamente e que de fato é uma união curiosa, Mauricio, um negro casado com Leico, uma japonesa. Uma relação confessa de muito amor, com dois filhos, André e Gabriela e três netos Raiully, Gabriel e Del Pietro.
Avaré
Mauricio e família mudaram para Avaré em meados dos anos 90 depois de logo no inicio da década ter vindo a passeio conhecer a cidade pela qual se encantou e onde construiu uma casa as margens da represa, num primeiro momento apenas para lazer.
Na vinda para moradia criaram aqui uma então inédita atividade, a primeira gráfica rápida da região e se estabeleceram também comercialmente.
A poesia
O encontro com a poesia já havia acontecido na vida de Mauricio desde ainda morando em Pernambuco, porém nunca havia pensado em ser um poeta, um escritor ou mesmo viver de poesia, fato que hoje o acalenta.
Mauricio de Barros participa ativamente do centro Literário Anita Ferreira de Maria em Avaré e já lançou dois livros, o segundo - Cordel retrata a interessante literatura de cordel da mesma forma inusitada e divertida dos tradicionais livrinhos pendurados nos varais de cordas das feiras nordestinas.
Esta é apenas uma pequena parte da história de vida de Mauricio de Barros uma pessoa que mesmo com as limitações impostas pela falta de estudos foi bancário e hoje é um poeta que ganha a projeção. Mauricio de Barros PERSONARE DA SEMANA DA FOLHA DE AVARÉ.
-
*Guma Castellucci é Jornalista e Professor. Especialista em Gestão de Pequenos Negócios, Docência no Ensino Superior e Mestre em Comunicação. Colabora com Jornal Folha de Avaré e tem um Programa semanal na Rádio Cidadania (104.9 MHz ou www.radiocidadania.com.br)
Dirige a REDE GUMA DE COMUNICAÇÃO www.redeguma.com.br e é palestrante motivacional e celebrante e eventos. Fone (14) 97746933 - @mail – guma@redeguma.com

INSTAGRAM

INSTAGRAM
Copyright © REDE GUMA. Designed