sexta-feira, 1 de novembro de 2013

JORNAL DA CIDADE

CULTURA

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Prefeitura conquista antiga estação da Sorocabana
Prefeito Poio Novaes firmou acordo para uso gratuito do imóvel e pretende buscar parcerias para restaurar e criar museu no prédio da antiga ferroviária.
Prefeito, Ana Lucia (SPU), Ailton (representante Secretaria Cultura) e Dario (Representante Condephac)
A Prefeitura da Estância Turística de Avaré conseguiu a cessão provisória de uso gratuito das instalações da estação que pertenceu à antiga Estrada de Ferro Sorocabana, na Avenida Major Rangel, depois de um intenso trabalho do Condephac, Conselho que trabalha na desfesa do patrimonio historico municipal, ligado a Secretaria de Cultura.
O prefeito Paulo Dias Novaes Filho esteve, na última quinta-feira, 30 de outubro, em São Paulo, acompanhado pelos representantes do Conselho Municipal de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural de Avaré (Condephaac) onde firmou acordo para uso do imóvel com a superintendente da Secretaria de Patrimônio da União (SPU/SP), Ana Lúcia dos Anjos.
Desativado há quase vinte anos, desde a extinção da Fepasa, o imóvel teve sua propriedade transferida ao patrimônio da União por meio de acordo com o governo estadual para quitação de dívidas.
No início do ano, o prefeito de Avaré formalizou o pedido à Secretaria de Patrimônio da União, enfatizando que o imóvel é representativo para a história avareense. “A idéia, após a restauração, é transformar o prédio em um museu ferroviário e também utilizar suas dependências para oficinas culturais, a exemplo do que já ocorre com êxito em outras localidades”, diz Poio.
Desde 2009, a diretoria do Condephaac juntamente com a Secretaria Municipal de Cultura,  faz gestões a fim de obter a concessão de uso das instalações do antigo terminal da Sorocabana para transformá-lo em espaço cultural.
A atual diretoria do Conselho que encerra seu mandato no final de 2013 tem como Presidente Angela Golin e Secretário Gumercindo Castellucci Filho.

VALOR HISTÓRICO – Reformado e ampliado no final da década de 1920, o prédio serviu como estação ferroviária até o princípio dos anos 1950, quando o leito da ferrovia teve o seu traçado alterado na região.
Nos anos seguintes, o prédio acomodou a Escola Artesanal e, por último, a APAE de Avaré.
A partir de então, como passou para o domínio da União, o imóvel ficou sem conservação e passou a ser ocupado por invasores.
Tombado em 2009 pelo Condephac pelo seu valor histórico, o prédio é objeto de estudos e pesquisadores apontam a necessidade de o mesmo ser preservado porque veem naquele espaço a maneira de contar não apenas a história da ferrovia como também de uma etapa do desenvolvimento econômico de Avaré.