Tailândia: brasileira voluntária em resgate relata dor de famílias

Foi a brasileira Tatiane de Araújo quem deu a notícia a dois militares americanos trabalhando na Tailândia que os 12 adolescentes e seu técnico de futebol — até então perdidos em um complexo de cavernas inundadas em Chiang Rai, no norte do país — haviam sido encontrados por socorristas no último dia 2 de julho.

Tatiane de Araújo foi tradutora durante operação que retirou 13 jovens de caverna inundada: 

 Tatiane (à direita) foi tradutora voluntária em resgate

     Reprodução/Facebook

"Fico feliz por ter feito parte de alguma forma"

“Nós recebemos uma mensagem de rádio falando que todos os garotos foram localizados com vida às 22h30 da noite naquela segunda-feira (12h30 no horário de Brasília) e eu comuniquei aos militares dos Estados Unidos, que prestavam serviços diretamente ao governo tailandês. Todos celebraram, foi muito emocionante”, relembra Tatiane.

Trabalho voluntário

A brasileira, que tem 36 anos e mora na região há seis, trabalhou voluntariamente como tradutora do inglês para o tailandês (e vice-versa) durante a operação de busca e resgate que ganhou as manchetes internacionais nas últimas semanas. “Logo que os meninos desapareceram e a procura começou, as autoridades anunciaram na televisão que precisavam de tradutores do inglês, do chinês e do alemão para o tailandês. Eu me candidatei junto ao Ministério do Turismo tailandês e comecei a trabalhar no domingo, 1º de julho”, relata.

Tatiane facilitou comunicação de tailandeses com mídia
     Reprodução/Facebook
Tatiane comenta que, naquele domingo, dirigiu por cerca de 1h desde sua casa até a entrada da caverna Tham Luang: “O momento mais emocionante foi quando cheguei, por volta das 19h. Havia todo um acampamento montado para auxiliar na operação. Eu não tinha acesso aos mergulhadores que entravam na caverna, mas ficava do lado de fora facilitando a comunicação com equipes de buscas internacionais e a mídia. Acabei conhecendo a família de um dos adolescentes que estava desaparecido e transmiti palavras de encorajamento para eles”.
De acordo com a brasileira, os parentes estavam bastante preocupados com a vida dos garotos naquele domingo, mas ainda tinham esperanças de que eles fossem localizados sãos e salvos porque as equipes não haviam encontrado nenhum corpo durante as buscas. O trabalho voluntário de Tatiane se estendeu até a noite do dia seguinte, pouco depois que o governador da província de Chiang Rai, Narongsak Osotthanakorn, anunciou em rede nacional de televisão que todos os 12 meninos com idades entre 11 e 16 anos e o técnico de futebol de 25 foram achados com vida.
Em seu dia a dia, a brasileira natural de Arapoti, no Paraná, atua como professora de crianças e adolescentes em um internato em Chiang Rai. Esta foi a primeira vez que ela trabalhou como tradutora voluntária. “Estou muito feliz por ter estado lá na hora em que os meninos foram achados e por ter feito parte disso de alguma forma. Fico feliz por servir e ser útil”, comenta.
Mesmo depois de encerrar os serviços, ela continua acompanhando o caso de perto: na terça-feira (10), foi até a porta do hospital Chiang Rai Prachanukroh, onde todas as vítimas estão agora em isolamento. “Fui lá para celebrar e ver o 12º — e último — menino retirado da caverna e seu técnico de futebol chegando de ambulância", conta. "Eles entraram no hospital às 21h em ponto do horário na Tailândia (11h em Brasília). As ruas no entorno estavam bloqueadas, mas os vizinhos foram todos comemorar.”
Autoridades informaram na terça dia 10 que o grupo deve permanecer pelo menos uma semana recebendo cuidados médicos. No Facebook, a Marinha tailandesa traduziu em um post o sentimento do mundo todo: “Não temos certeza se isso é milagre, ciência ou o quê, mas todos os Javalis Selvagens [nome do time de futebol a que pertencem os jovens] estão agora fora da caverna”. R7

Comentários