TV AVARÉ - Documentário FAUSTO MAZZOLA

Tema do Desfile Cívico de 2018, neste vídeo um pouco da vida de obra de Fausto Mazzola

Fausto Mazzola: vida dedicada a sua arte

Fausto Mazzola chegou em Avaré no começo de 1958, onde foi designado Diretor da Escola Artesanal, quando, coadjuvado por professores de sua equipe, cuidou da instalação do referido estabelecimento de ensino profissionalizante.
Deslumbrado com a acolhida em Avaré, fez valer seus conhecimentos artísticos para embelezar a cidade, realizando a escultura em cimento branco “Cristo em Ascensão” (4 metros); o “Monumento ao Pracinha” (10 metros), que inclui original pedestal, coincidência ou não, posteriormente executado também por outros escultores e arquitetos brasileiros; o “Desbravador” (4 metros), a “Fonte das Artes” (também conhecida como “Luminosa”) e o “Relógio do Sol”, uma homenagem à colônia japonesa local.
Ainda em Avaré podem ser observadas, na praça central, marquises, construídas de forma a não interferirem nas pistas dos passeios ajardinados e calçadas decoradas em mosaico português, com desenhos formados por palmas gregas, trabalhos arquitetônicos todos de autoria do professor Mazzola.
Em reconhecimento a essas obras de embelezamento da cidade, a Câmara Municipal de Avaré concedeu-lhe o título de “Cidadão Avareense”.
Obras em outras cidades
Durante sua permanência em Avaré, o professor Mazzola executou também vários monumentos e bustos para cidades vizinhas: em Botucatu, um monumento de 4 metros de altura, dedicado a São José, e um busto em bronze do poeta e músico Angelino de Oliveira. Em Itatinga, um monumento ao Pracinha, de aproximadamente 7 metros de altura. Em junho de 1963, como diretor efetivo, transferiu-se para a direção do Ginásio Industrial de Americana (SP), onde se aposentou do serviço público estadual.
Professor Mazzola
O professor Fausto Mazzola realizou, ao longo de sua vida artística, obras de escultura e pintura, trabalhos hoje colocados em cidades de diversos Estados brasileiros. Era um dos raros artistas acadêmicos ainda em atividade.
Já desde bem jovem vocacionado às artes plásticas, iniciou seus estudos de Escultura no Instituto Profissional Masculino de São Paulo, hoje Escola Técnica “Getúlio Vargas”, completando-os em Artes Plásticas e Mestria. Nessa época, paralelamente, cursou a Escola de Belas Artes de São Paulo como aluno livre e o Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo, tendo trabalhado, nessa época, na Catedral da Sé de São Paulo junto seu professor e escultor Fernando Frieck. Após o falecimento do artista, ingressou como escultor nas oficinas do referido Liceu.
Ainda nesse período de sua formação artística, classificou-se em primeiro, lugar - com 1734,1 pontos - no Concurso de Títulos e Provas, que buscava preenchimento de vaga para o cargo de Professor de Escultura para as Escolas Profissionais do Estado de São Paulo.
Em Campinas
Já residindo em Campinas, passou a executar bustos, medalhões e monumentos para mais de 30 cidades de São Paulo (inclusive para a capital do Estado), Minas Gerais e Rio de Janeiro.
Nesta cidade, esculpiu em bronze a cabeça do poeta Guilherme de Almeida, que se encontra na praça do mesmo nome; o busto do sr. Valverde, colocado em frente ao clube Fonte São Paulo; o busto do Engenheiro Lix da Cunha, erigido ao lado da via expressa Suleste; e o busto do arcebispo D. Paulo Tarso, que se acha no Seminário de Campinas.
Nesses últimos anos, concorreu em vários Salões de Belas Artes do Estado do São Paulo, tendo sido agraciado com a Pequena Medalha de Prata e a Grande Medalha de Prata no Salão Paulista de Belas Artes, o que lhe conferiu integração ao Júri do referido Salão. Obteve, ainda, Medalhas de Ouro no Salão Limeirense e Salão Barbarense de Belas Artes, Prêmio IPAR do Salão Ararense de Belas Artes, além de prêmios em outros Salões.
Aos 85 anos, quando faleceu, em Campinas, em 21 de abril de 2004, professor Fausto Mazzola, embora já combalido pela doença, que enfrentava valentemente nos seus últimos anos de vida, ainda trabalhava em escultura e pintura, atendendo, principalmente, Prefeituras de diversas cidades do Estado de São Paulo. Era viúvo da sra. Mercedes Corrêa Mazzola, deixando os filhos Fúlvio e Gustavo, nora e netos.
* Gustavo Osmar Mazzola é filho de Fausto Mazzola

Gustavo Osmar Mazzola*/Fernando Santos
Postar um comentário

INSTAGRAM

INSTAGRAM
Copyright © REDE GUMA. Designed