VEJA! NOTICIAS DO DIA - Os cinemas nos Estados Unidos podem voltar a fechar devido à falta de público

  • Até o momento, a pandemia do novo coronavírus já deixou 33.676.272 contaminados e 1.008.411 mortos no mundo. No Brasil são 4.777.522 contaminados e 142.921 mortos. Os números são da Universidade Johns Hopkins.


RESULTADO ANIMADOR

A vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela empresa americana Moderna mostrou-se segura e capaz de induzir forte resposta imunológica em idosos. A conclusão se deu após estudos de fase 1 em 40 voluntários saudáveis: 20 pessoas com idade entre 56 e 70 anos e outras 20 com 71 anos ou mais. Todos receberam duas doses do imunizante. Os resultados mostraram que o medicamento foi bem tolerado e provocou apenas efeitos colaterais leves. A produção de anticorpos nessa faixa etária ficou em uma taxa comparável à observada em grupos de pessoas mais jovens. No Brasil, o fármaco de Oxford será tema de audiência pública na Câmara nesta quarta-feira. Na mira, o contrato firmado com o Ministério da Saúde.
 
OTIMISMO EM SP

O setor de eventos já comemora o possível retorno das atividades em São Paulo, que pode acontecer a partir de 9 de outubro. O otimismo se dá porque a reabertura na capital paulista, o maior mercado de festas sociais e corporativas, deve ajudar a puxar a recuperação do setor como um todo. O protocolo assinado pela prefeitura autoriza eventos para até 600 pessoas como convenções, seminários, workshops, palestras e feiras – pistas de dança continuam vetadas. Já eventos para mais de 600 pessoas precisarão de uma autorização especial, com limite de até 2 mil pessoas.

ALERTA EM MANAUS

Apesar de um aumento de casos ter sido registrado em Manaus desde agosto, ainda é cedo para dizer que a capital do Amazonas já passa por uma segunda onda da Covid-19. De acordo com o pesquisador Marcelo Gomes, coordenador do sistema Infogripe, desenvolvido pela Fiocruz em parceria com o Ministério da Saúde, a subida no registro de infectados deve ser encarada com atenção. "Ainda não é uma situação catastrófica, mas os cuidados precisam redobrados", disse. Ao perceber o movimento ascendente de contaminações, a prefeitura decidiu fechar pontos turísticos e ampliar as unidades de saúde para atendimento preferencial de pacientes com a doença.

O CASO NOVA YORK

Após meses de estabilidade e números baixos, os casos de coronavírus em Nova York voltaram a crescer  nos últimos dias. No sábado, o estado registrou mais de 1.000 novas infecções, número diário mais alto desde 5 de junho. Além disso, a taxa de contágio subiu para 1,5% no estado e está próxima de 2% na cidade de Nova York – índices que indicam descontrole da pandemia. Para as autoridades, o desrespeito ao distanciamento social nos distritos de Brooklyn, Orange e Rockland é o principal motivo para a alta. Nessas regiões se concentram grandes populações de judeus ortodoxos, que, segundo o New York Times, representam 25% dos novos casos.

  • SESSÃO INTERROMPIDA

Os cinemas nos Estados Unidos podem voltar a fechar devido à falta de público. O filme Tenet , que se tornou símbolo da reabertura das salas, apresentou resultado interessante nas primeiras semanas, mas despencou em seguida. Produzido por 200 milhões de dólares, o longa arrecadou em solo americano 41 milhões de dólares – e 280 milhões de dólares em todo o mundo. Antes da pandemia, o estúdio responsável esperava uma bilheteria acima de 600 milhões de dólares. Junto a isso, as exibidoras de cinema têm poucas opções para colocar em cartaz este ano. Motivos suficientes para abrir somente aos fins de semana ou paralisar as atividades até que o cenário melhore.
  • FUGA DOS HERÓIS

Quando os cinemas fecharam em março, os estúdios e exibidores começaram a reorganizar a agenda de estreias. Mas, ao contrário do que se esperava, os filmes alteraram diversas vezes suas datas de lançamento - muitos deles para 2021. Uma das medidas mais drásticas foi tomada pela Disney, estúdio que domina as bilheterias do mundo com longas de super-heróis da Marvel. Depois de lançar Mulan diretamente em streaming, a empresa decidiu adiar Viúva Negra de novembro de 2020 para maio de 2021. O movimento  deixou na mão os exibidores que, em um ano difícil, esperavam que os longas de heróis pudessem salvar parte da receita. O setor prevê uma queda de 80% nas entradas em relação a 2019.

Postar um comentário

0 Comentários