OUÇA A RÁDIO GUMA CLIQUE ACIMA

Crianças devem ser testadas sempre que estiverem com suspeita de Covid-19

JORNAL DO GUMA

Do Brasil 61

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

As crianças devem ser testadas sempre que apresentarem sintomas ou tiverem contato com alguém infectado pela Covid-19. Além disso, os testes RT-PCR, teste ou sorológico são aceitos. A lógica é a mesma aplicada nos adultos, sendo que pais e responsáveis devem observar, por exemplo, o tempo desde que a criança foi supostamente exposta ao vírus  ou que esteja apresentando sintomas. Essa foi a declaração dada pelo membro do Departamento Científico de Imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), Dr. Ricardo Queiroz Gurgel.

A farmacêutica Laís Soares, moradora de Caravelas (BA), teve que levar a filha, Lívia, de 5 anos, até o posto de saúde para fazer o teste RT-PCR. Segundo Laís, a criança apresentava sintomas e todo processo foi feito de forma gratuita pelo SUS. “Não tivemos dificuldade nenhuma em fazer o teste, prontamente o posto de saúde e a secretaria de saúde ajudaram. O teste rápido foi feito e no mesmo dia fui notificada”, explica. 

Dr. Ricardo também afirma que a testagem é importante para definir os próximos passos. “A confirmação de diagnóstico já indica a maneira correta de proceder e o possível caso de isolamento em caso positivo”, explica.

Já em Brasília, conseguir o teste não é tão fácil. Jamile Abadio é mãe de duas crianças e precisou buscar atendimento depois que os filhos apresentaram sintomas. Ela conta que foi encaminhada para um laboratório particular mas, por conta do sistema, as crianças só conseguiram fazer o exame depois de três dias. “Tinha que chegar muito cedo para pegar senha e entrar na fila. Isso levaria algumas horas e não tinha como levar eles doentes para o frio e chegar muito cedo”, explica.

Veja quando cada teste é indicado

  • RT-PCR: feito pelo swab nasal ou pela coleta de saliva, o teste deve ser feito entre 3º e 4º  da doença. Mas é importante lembrar que o teste só detecta casos ativos da doença, não sendo indicado para diagnosticar casos de infecção prévia.

  • Sorológico - feito pelo exame de sangue, é utilizado para saber se a criança desenvolveu anticorpos produzidos contra o vírus. Portanto, é indicado para diagnosticar uma possível infecção antiga. Um resultado negativo não exclui uma infecção atual da doença. 

Aulas presenciais

A Fiocruz atualizou na  última sexta-feira (11) os protocolos sanitários para que a volta às aulas seja feita de forma segura. Segundo o secretário de Educação da Bahia, em 2021, o estado contou com 3 meses de aula presencial e esse período ajudou na adaptação dos protocolos. “O importante é perceber o quanto a escola fez falta, o quanto os professores fizeram falta na vida da sociedade, quanta falta fez o encontro dos estudantes”, ressaltou.

O documento orienta que adultos ou crianças que estiverem com sintomas leves ou moderados de Covid-19 devem ficar isoladas por 10 dias, a contar da data de início dos sintomas. Mas, o retorno só deve acontecer caso o paciente não tenha nenhum sintoma nas últimas 24 horas. Porque a confirmação de diagnóstico já indica a maneira correta de proceder e o possível caso de isolamento em caso positivo. 

Já no caso dos assintomáticos, são necessários 5 dias a contar da data do teste positivo, desde que um novo teste no quinto dia seja negativo.
A Sociedade Brasileira de Pediatria também é a favor do retorno. Dr. Ricardo afirma que as crianças foram um dos públicos mais impactados pela pandemia. “O prejuízo que tem para o desenvolvimento das crianças é muito maior com esse isolamento que se mantém somente para elas, porque todas as outras atividades estão praticamente liberadas.”

O documento prevê que as aulas só deverão ser suspensas caso existam 3 ou mais testes positivos simultâneos, na mesma classe. Essa situação deve ser acompanhada, mas o  fechamento das escolas só deve acontecer em caso de recomendação dos técnicos sanitários locais. 

Segundo o pediatra Thallys Ramalho, as aulas não devem ser suspensas porque a  vacina já está amplamente disponível para a faixa etária de 5 a 12 anos, além das manifestações da Covid-19 não serem tão graves nas crianças. "Agora com a vacina, a gente mitiga ainda mais o risco de uma infecção grave pela Covid. Devem ser tomadas as precauções necessárias, as medidas de isolamento e, na medida do possível, um plano de contingência para as escolas receberem um número menor de crianças.”

Alguns estados já adotaram as novas diretrizes. No Rio de Janeiro, não será cobrada dos estudantes a vacinação contra a Covid-19, mas os pais e responsáveis são incentivados a levarem os seus filhos imunizados.  Caso algum aluno ou funcionário teste positivo, o protocolo prevê que o paciente seja encaminhado para a rede de atenção primária e faça um teste.

A rede estadual do Rio tem 1.230 escolas com 23 mil turmas e 678,2 mil estudantes. Esse grupo é formado, essencialmente, por alunos do ensino médio. 
 
Fonte: Brasil 61
Postagem Anterior Próxima Postagem

INVISTA AQUI