AVAREENSE ANA TARDIVO NO ELENCO DE (A)DOR(A)

JORNAL DO GUMA

Da Divulgação

Livremente inspirado na vida de Maria Auxiliadora Lara Barcellos (Dora), militante da Vanguarda Armada Revolucionária (VAR-Palmares) que se suicidou na Alemanha, (A) DOR (A) é um texto que mistura dados biográficos dessa mineira natural de Antônio Dias, com recriações ficcionais baseadas em fatos colhidos por meio de relatos históricos de outros militantes em entrevistas, na literatura e em filmes documentais. Uma atmosfera poética não linear permeia essa colcha de retalhos da vida dessa estudante de medicina que entrou para a clandestinidade, onde três atrizes representando Dora em algumas de suas facetas (a mulher, a guerrilheira e a torturada) dialogam entre si e convivem com os fantasmas da tortura ao mesmo tempo em que se relacionam com a atmosfera política do Brasil e dos países percorridos por ela .


Dia 08 -Centro Cultural da Diversidade – Rua Lopes Neto, 206 – Itaim Bibi – às 20:00h
Dias 09 e 10 – Oficina Cultural Oswald de Andrade – Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro – às 19:00h
Dia 15 – Centro Cultural da Diversidade – Rua Lopes Neto, 206 – Itaim Bibi – às 20:00
Dia 16 – Espaço Companhia da Revista – Alameda Nothmann, 1135 – Campos Elísios – às 21:00h
Dia 17 – Teatro Alfredo Mesquita – Avenida Santos Dumont, 1770 – Santana – às 21:00h

FICHA TÉCNICA
Livremente inspirada na vida de Maria Auxiliadora Lara Barcellos

Texto e Direção: Pedro Guilherme
Elenco: Ana Tardivo, Flavia Couto, Pedro Guilherme, Thiago Andreuccetti, Sofia Botelho
Figurino: Maria D’Cajas
Cenário: Pedro Guilherme
Cenotécnico: Mateus Fiorentino Nanci
Trilha Sonora: Barbara Frazão
Iluminação: Vinícius Andrade
Edição de Vídeos: Gabriela Bernd
Operação de Vídeo: Júnior Docini
Fotografia: Bob Sousa
Arte Gráfica: Flavia Couto
Assessoria de Imprensa: Pombo Correio
Produção: Pedro Guilherme
Idealização inicial do projeto: Henrique Stroeter
Realização: Cia. Provisório-Definitivo
Realizado dentro do projeto Cia.Provisório-Definitivo 20 anos contemplado pelo PROAC LAB “Prêmio por histórico de realização em teatro” da Lei Aldir Blanc