MORRE CLÁUDIO CORTEZ

Faleceu na tarde de 18 de dezembro de 2018, aos 71 anos, o avareense Cláudio Cortez. A informação foi divulgada por familiares dele.
“É com grande tristeza que comunico o falecimento do meu tio, padrinho, poeta e amigo, Claudio Cortez. O céu está em festa e os amigos que lá estão, também”, escreveu a ex-vereadora Victoria Cortez em sua página pessoal no Facebook.
Segundo informações, há alguns meses ele lutava contra um câncer.
Claudio Cortez era conhecido por ser um importante ativista cultural no cenário avareense.
Cortez foi funcionário da Prefeitura de Avaré por mais de 20 anos, onde chegou a exercer o cargo de Secretario de Cultura. Foi durante sua gestão que foi inaugurado o Teatro Municipal.
Claudio Cortez era filho do farmacêutico Orlando Cortez e de Maria da Glória Tupá Cortez.

Cláudio Cortez, perfil de poeta
 
por *Guma Castellucci (para o Jornal Folha de Avaré) em 2010.

Filho de pais respeitáveis - o inesquecível Orlando Cortez, farmacêutico símbolo de confiança em Avaré, e de dona Maria da Glória Tupá Cortez, mineira da cidade de Sacramento - o avareense Cláudio Cortez aqui nasceu em 30 de agosto de 1947.
Fez seus estudos no tradicional Instituto de Educação Cel. João Cruz e no Colégio La Salle, de Botucatu. Formou-se em Letras, em 1975, pela Faculdade de Ciências e Letras da FREA.
Ainda muito jovem Cláudio fez parte da Comissão Municipal de Cultura “Léa Silva”. Nessa época, janeiro de 1968, lançou o livro “Em Silêncio de Estrelas”, coletânea de composições líricas, as quais carregam mensagens reveladoras do seu espírito curioso das coisas da inteligência e da fragrância de sua inspiração poética.
Profissionalmente, Cláudio iniciou sua carreira no serviço público trabalhando no Paço Municipal ao lado do mestre Djalma Noronha, outra notável referência da literatura avareense.
Por mais de 25 anos, serviu com muita discrição e rara habilidade, sucessivamente como secretário de gabinete dos ex-prefeitos Fernando Pimentel, Misael Euphrásio Leal, Paulo Dias Novaes e Miguel Paulucci.
Dono de texto cativante – em que pese sua natural modéstia – Cláudio é também exímio cronista, talento revelado ao assinar belas páginas em que narra aspectos da nossa história nas edições especiais do extinto jornal “O Avaré”.
Amante das artes, ele voluntariamente apoia diversas iniciativas culturais, atuando em eventos de realce como os Salões de Artes Plásticas promovidos na cidade. Aliás, Cláudio, admirador confesso da pintora Djanira, sabe manejar o pincel e produziu telas de rara beleza.
Em 1996, convidado por Miguel Paulucci, o artista atuou como secretário de Cultura do município. Em sua breve passagem pela pasta, coube a ele preparar a inauguração do Teatro Municipal Octávio Morales Moreno.
“Cláudio Cortez compõe no fluir espontâneo de expressões plenas de ternura, ritmo e harmonia”.
Essa sábia impressão de Anita Ferreira De Maria, a grande dama da nossa poesia, nos convence de que, de fato e com louvor, ele bem cedo teve o nome merecidamente inscrito na galeria dos celebrados poetas avareenses. É onde, a propósito, já reluzem as rimas serenas do seu perfil intermediadas nos versos cálidos da sua vida. Texto para esta homenagem de Gesiel Júnior.

DEPOIMENTOS DE AMIGOS

“Para completar esta matéria uma criação de Cláudio como forma de (re) conhecer o trabalho deste ser humano, de características simples e que mantém a humildade acima de tudo, mesmo diante do talento literário e da capacidade intelectual incomensurável.
Trata a todos sempre com muito carinho ligado ao respeito profundo à identidade de seu próximo.
Alguém que tenho a honra de chamar de amigo.
Guma Castellucci


Amante das artes, ele ofereceu sempre o seu apoio a iniciativas culturais, apoiando eventos representativos, com destaque para os Salões de Artes Plásticas realizados em Avaré. Em 1996, convidado pelo ex-prefeito Miguel Paulucci, Cláudio foi secretário municipal da Cultura. Em sua breve passagem pela pasta, coube a ele concluir as obras e inaugurar o Teatro Municipal Octávio Morales Moreno. Como registrou a grande dama da nossa poesia, Anita Ferreira De Maria, Cláudio Cortez compõe no fluir espontâneo de expressões plenas de ternura, ritmo e harmonia. Portanto, tem seu nome de há muito inscrito na galeria dos celebrados poetas avareenses. Fernando Santos
                                                                                                       



“Cláudio Cortez compõe no fluir espontâneo de expressões plenas de ternura, ritmo e harmonia”. "Essa sábia impressão de Anita Ferreira De Maria, a grande dama da nossa poesia, nos convence de que, de fato e com louvor, ele bem cedo teve o nome merecidamente inscrito na galeria dos celebrados poetas avareenses. É onde, a propósito, já reluzem as rimas serenas do seu perfil intermediadas nos versos cálidos da sua vida". Gesiel Junior

Postar um comentário

INSTAGRAM

INSTAGRAM
Copyright © REDE GUMA. Designed